Bárbara Pereira: “As pessoas devem estar atentas”

Lach

Já se sabe que pessoas assintomáticas podem transmitir o vírus, assim como aqueles que estão no início da infecção e ainda não desenvolveram os sintomas! O único laboratório do RJ com um teste de PCR super sensível, que detecta 100% dos casos de Covid-19, estando a pessoa com uma baixa carga viral ou não, vem tendo que lidar com essa situação. “A pessoa faz um teste aqui para viajar ou retornar ao trabalho, por exemplo. Quando o resultado sai positivo, ela procura outro teste menos sensível e depois questiona que o nosso foi um “falso positivo” explica Bárbara Pereira, especialista em Imuno Hematologia pela UFRJ e responsável técnica do Lach, Laboratório e Clínica. “Mas o que temos aqui é justamente o contrário! Um exame mais sensível, mais preciso e mais seguro para toda a comunidade. Infelizmente, as pessoas são egoístas. Mas nosso compromisso é com a saúde das pessoas, portanto, investimos num material mais caro, até mesmo diminuindo nossa margem de lucro. E não pretendemos mudar isso aqui!”, ressalta. O exame de PCR para coronavírus no Lach realmente é eficiente (afirmam especialistas). Enquanto em outros laboratórios, são detectadas entre 1 a 2 frações do vírus, no Lach são 4 frações. Além disso, o laboratório do libera a quantidade de ciclos e carga viral presente para ajudar no tratamento correto e eficaz, uma vez que essa informação pode determinar o momento da doença – fase inicial, fase inflamatória ou recuperação.

Bárbara, o que mais lhe surpreendeu nos exames dos casos de Covid nesse um ano de pandemia?

Percebi que houve um aumento tanto da procura por exames quanto de resultados positivos, no período de festas de fim de ano e a partir de fevereiro notei uma queda. Me surpreende essa enorme oscilação com períodos de pico e de baixa se intercalando o tempo todo, desde o início da pandemia. Esperava ver algo mais parecido com o que aconteceu em outras viroses, que tem um pico e depois se estabiliza.

Já é possível ter um cálculo de pessoas assintomáticas para cada pessoa que tem sintomas do Covid?

Estudos mostram que cerca de 45% a 50% dos infectados são assintomáticos. Mas esse número pode ser muito maior, porque muitos nem chegam a fazer teste algum para Covid.

Por que as pessoas são mais infecciosas um dia antes de apresentar sintomas?

A carga viral atinge o pico nos cinco primeiros dias de sintomas, mas já é alta nos primeiros três dias antes do início dos sintomas, por isso, é um período de alta transmissibilidade, uma vez que a pessoa já está infectada e não sabe. E o primeiro sintoma pode não ser febre. Na maioria das vezes nem é. É um sintoma que passa despercebido, como dor de cabeça, dor no corpo, sensação de sinusite ou garganta arranhando. Sintomas que podem muito bem serem confundidos com um cansaço de um dia mais difícil, uma noite mal dormida…

Tão logo sintomas como dor, febre, perda de olfato ou paladar se iniciem, deve-se começar a fazer o isolamento domiciliar, sem frequentar lugares públicos, até que o teste possa ser feito. Não é adequado esperar o resultado do teste para só então tomar a medida. As pessoas devem estar atentas também ao surgimento de manifestações atípicas da Covid, como náusea e diarreia.

Os riscos de um negativo nesse período anterior são grandes?

Vai depender do teste. Quanto maior a sensibilidade, maior a possibilidade de detecção precoce. Alguns testes só conseguem detectar o vírus a partir do quinto dia de sintoma. Aqui no Lach o teste é realmente diferenciado. Temos o melhor equipamento e os melhores reagentes que existem atualmente no mercado, por isso, acaba sendo o mais sensível. Nosso equipamento consegue detectar até 4 partes diferentes do vírus enquanto em outros laboratórios o equipamento detecta apenas 2 partes do vírus, então precisam de um número muito maior de cópias do vírus para detectar a presença dele naquela amostra de sangue. As chances de um falso negativo, portanto, é maior quando o teste é menos sensível.

Como funciona o PCR?

O PCR-RT é um exame que atua detectando o material genético do vírus. É uma técnica molecular onde uma ou mais sondas genéticas são misturadas à amostra para se ligar ao RNA. Isso causa uma reação que é quantificável.

É o teste mais preciso, feito a partir da coleta de mucosa do nariz e da garganta, podendo identificar até casos assintomáticos nos primeiros dias da doença. Para isso, é preciso de um equipamento indispensável para processar amostras coletadas: os extratores de RNA (ácido ribonucleico) do vírus.

Quando um exame de PCR deve ser feito para Covid-19?

A partir do primeiro dia de contato, se for um teste sensível. Para os testes mais simples, estipulam cinco dias ou mais.

Por que nem todos os exames de PCR podem detectar o coronavírus igual?

Cada teste tem uma sensibilidade e um número de sondas a ser utilizado. A escolha do teste e fabricante é de acordo com cada laboratório. O Lach, único laboratório do Rio de Janeiro com um teste de PCR super sensível, que detecta 100% dos casos de Covid-19, mesmo em estágios iniciais. Nosso exame de PCR para coronavírus realmente é diferenciado. Enquanto em outros laboratórios, são detectadas entre 1 a 2 frações do vírus, no Lach são 4 frações. Além disso, o laboratório do Jardim Botânico libera a quantidade de ciclos e carga viral presente para ajudar no tratamento correto e eficaz, uma vez que essa informação pode determinar o momento da doença – fase inicial, fase inflamatória ou recuperação. A maioria dos exames de PCR oferecidos hoje apresentam apenas um resultado de sim ou não.

Esse é o principal diferencial do PCR da Lach?

Sim! O nosso teste detecta a partir de 2.3 cópias do vírus e utiliza 4 sondas. A maior parte detecta a partir de 250 cópias e com uma única sonda.

Fale um pouco mais sobre esse PCR super sensível.

A sensibilidade significa quanto antes você consegue detectar o vírus. A nossa detecção com dois vírus apenas dentro da amostra, torna o teste super sensível. Utilizamos também quatro sondas que se ligam em partes diferentes do código genético do vírus, o que significa maior possibilidade de detecção, até mesmo por causa das recentes mutações e novas cepas. Quanto mais partes do vírus são acessadas maior possibilidade de conseguir detectar mesmo que alguma outra parte sofra mutações.

Quais as principais diferenças de um exame mais sensível e de um menos sensível?

O exame menos sensível precisa de mais vírus para conseguir detectar e tem acesso a, na média, uma parte do vírus apenas. O mais sensível é o oposto disso, consegue detectar com muito pouco vírus e acessa o vírus por diversas partes. Tornando praticamente impossível não detectá-lo se ele estiver presente na amostra. Em termos práticos, vamos supor que na hora da coleta, não foi captado material da mucosa nasal suficiente para detecção. Isso pode acontecer em diversas situações. A pessoa está nos estágios iniciais da doença, tem poucos sintomas ou faz uso de algum spray nasal, por exemplo.

Como esse problema é resolvido?

Optando por testes melhores e, se não for possível, realizando repetições, colhendo novas amostras dentro do mesmo dia ou em dias subsequentes de modo a se aumentar a amostragem e conseguir chegar em uma quantidade de material para teste que seja suficiente para a leitura e diagnóstico. Porém, isso acaba gerando mais custos e também mais desconforto. Além de atrasar o tratamento, o que em alguns casos, pode ser crítico. Portanto, o ideal é usar o melhor teste disponível no mercado. Por isso optamos pelo método mais sensível aqui no Lach.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content