Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Braskem, a empresa mais odiada do Brasil?

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

A tragédia do afundamento do solo em Maceió, provocado pela exploração inadequada das minas de sal-gema da Braskem, se desenha como uma das maiores catástrofes ambientais e sociais da história brasileira. O desastre não apenas desalojou dezenas de milhares de pessoas, mas também trouxe à tona questionamentos cruciais sobre a responsabilidade corporativa, a gestão ambiental e os limites éticos das grandes empresas.

O processo de afundamento, que iniciou há mais de quatro décadas, ganhou dimensões alarmantes nos últimos anos, levando a população de Maceió a viver sob a constante ameaça do colapso de suas casas e infraestruturas urbanas. Bairros como Pinheiro, Bom Parto, Mutange, Bebedouro e parte do Farol estão no epicentro do desastre, com milhares de pessoas forçadas a abandonar seus lares.

A Braskem, gigante brasileira do setor petroquímico, surge como a protagonista desse cenário devastador. A exploração intensiva das minas de sal-gema, essencial para a produção de itens como soda cáustica e PVC, revelou-se uma prática desastrosa. A inadequação na abordagem da empresa, ao longo de décadas, resultou na formação de cavidades subterrâneas de mais de 100 metros de largura, desencadeando rachaduras e o colapso do solo.

Anúncios

Os alertas sobre os riscos associados às atividades mineradoras na região datam de três décadas atrás, na década de 1980, quando professores da Universidade já indicavam os perigos iminentes. No entanto, a resposta efetiva veio tardiamente. Somente em maio de 2019, o Serviço Geológico do Brasil confirmou oficialmente a conexão entre o afundamento do solo e as práticas de mineração da Braskem.

Os números relatados pela Prefeitura de Maceió são assombrosos. Estima-se que mais de 64 mil pessoas foram afetadas desde 2018, com cerca de 14 mil imóveis condenados nos cinco bairros atingidos. Os impactos se estendem para além das questões habitacionais, abrangendo problemas ambientais, sociais e econômicos. A insatisfação da população se agrava diante dos acordos propostos pela Braskem, que muitas vezes são considerados insuficientes diante da magnitude dos danos.

A situação ganha contornos ainda mais preocupantes com o recente decreto de emergência no município de Maceió, evidenciando o “iminente colapso” de uma mina da Braskem na região da Lagoa Mundaú, no bairro Mutange. A incerteza paira sobre a população, que teme uma nova onda de desalojamentos e perdas.

Leia ou ouça também:  A ficha ainda não caiu para Jair Bolsonaro

A dimensão histórica do desastre se revela nos bairros mais antigos de Maceió, como Bebedouro, onde construções tombadas pelos departamentos de patrimônio histórico estadual e municipal correm o risco de desaparecer. A Igreja de Santo Antônio de Pádua, ativa desde 1870, permanece em área de risco, desafiando a preservação do patrimônio histórico.

A resposta institucional, apesar dos esforços, enfrenta desafios significativos. Acordos foram firmados entre órgãos governamentais, o Ministério Público e a Braskem, buscando realocação de moradores e compensações financeiras. Contudo, a insatisfação persiste, com moradores movendo ações judiciais inclusive em cortes internacionais, como na Holanda, buscando justiça e indenizações que considerem integralmente os danos sofridos.

Anúncios

A Braskem, por sua vez, enfrenta não apenas a ira da população local, mas também perde seu espaço no cenário financeiro, sendo excluída do índice de sustentabilidade empresarial da B3, a bolsa de valores brasileira. Esse movimento evidencia as consequências econômicas e reputacionais para empresas que negligenciam práticas sustentáveis e responsabilidade corporativa.

A tragédia de Maceió destaca a necessidade urgente de repensar as práticas industriais, reforçar os controles ambientais e garantir a responsabilidade corporativa. A Braskem emerge não apenas como uma empresa envolvida em uma tragédia ambiental, mas como um símbolo das consequências negativas de práticas empresariais inadequadas e da urgência em repensar o papel das corporações na sociedade. O Brasil observa atentamente como a justiça, a responsabilidade e a reparação serão equacionadas nesse cenário de devastação.

Última atualização da matéria foi há 5 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Anúncios
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights