Claudia Labate: “O tratamento do diabete é complexo”

Claudia Labate

Quem tem diabetes ou conhece alguém que convive com a doença sabe como é difícil manter a taxa glicêmica controlada. A hiperglicemia – quando o nível está muito alto – e a hipoglicemia – quando está muito baixo – são problemas constantes na rotina dos diabéticos. Para ajudar os pacientes nessa difícil tarefa, existe um aplicativo gratuito. Estamos falando do Glic, que colhe os registros diários de glicemia, medicamentos e alimentação, e faz a conexão com uma equipe médica parceira da plataforma. Claudia Granha Labate e o marido, Gabriel Schon Moreira, são os CEOs do Glic. Ela descobriu que tinha a doença aos 10 anos e viu na própria experiência uma oportunidade para ajudar outras pessoas. “O que a gente diz é que o Glic é como uma bússula para quem faz o tratamento. No dia a dia, eu vou fazendo os lançamentos para ele me ajudar a seguir a prescrição médica. Isso gera dados para a equipe médica, inclusive, em tempo real, para poder fazer os ajustes. O objetivo é melhorar a nossa qualidade de vida. É tirar o tempo que a gente gastaria fazendo tudo isso para poder realizar os nossos sonhos da forma que a gente bem entender e ser algo além só do diabetes. É uma realidade que precisa ser transformada, apesar de ser extremamente desafiadora e complexa. Com o Glic, nós iniciamos um movimento de tecnologia baseada em dados a partir da lógica”, afirma a psicanalista e CEO do Glic, Claudia Labate.

Claudia, o que direcionou você e seu esposo para a criação do Glic?

O Glic foi idealizado pela nossa sócia Dra. Karla Melo, que também tem diabetes, durante seu trabalho no Hospital das Clínicas de São Paulo em 2004. Desde então, passamos por diversas ondas de tecnologia e construção do modelo de negócios, até que em 2015 surge o Glic. Vivo com diabetes desde os 10 anos e, durante a minha jornada, vi muitas pessoas morrerem por não terem recebido os devidos cuidados aos 13, 17, 23, 34 anos. É uma realidade que precisa ser transformada, apesar de ser extremamente desafiadora e complexa. Com o Glic, nós iniciamos um movimento de tecnologia baseada em dados a partir da lógica do cuidado para oferecer um espaço de educação, automatização da prescrição médica, gestão de pacientes crônicos e adesão ao tratamento de diabetes.

Por que o aplicativo é único em sua visão?

O Glic é uma plataforma Web e Mobile para o controle da glicemia desenvolvido para auxiliar na rotina de cuidados com o diabetes. Além de participar do dia a dia de quem tem diabetes e seus cuidadores, ele se conecta com a equipe médica em tempo real, por meio de um prontuário eletrônico, permitindo decisões mais seguras para o tratamento do diabetes. A partir dos dados gerados pelos pacientes, médicos e nutricionistas, é possível gerar uma série de indicadores para consolidar, organizar e entender o mercado de diabetes no Brasil, melhorando a vida e o controle de quem tem diabetes.

Quais as principais singularidades do Glic?

A possibilidade de o paciente se relacionar com a sua equipe médica em tempo real por meio dos dados do seu tratamento aumenta a adesão às medições e aos medicamentos, além de receber uma série de materiais educativos no app, para que o paciente entenda os motivos de cada uma das ações tomadas em casa.

A plataforma oferece uma tabela nutricional. Fale um pouco mais sobre isso.

Hoje a plataforma oferece uma ampla tabela de alimentos (+ de 3.500 alimentos), sempre em medidas caseiras, para que os pacientes possa escolher os alimentos que vai consumir sem a necessidade de pesar para a contagem de carboidratos, proteínas, gorduras, sódio, fibras e calorias de cada alimento. Vale destacar que temos em nosso time, uma nutricionista clínica especializada em diabetes que realiza a curadoria dos alimentos e a manutenção das informações nutricionais, para que o paciente tenha sempre a informação mais correta para a tomada de decisão.

Quantos usuários estão cadastrados na plataforma?

Hoje são mais de 150 mil pacientes cadastrados na plataforma, além de mais de 1.100 médicos e 800 nutricionistas.

Como tem sido o feedback desses usuários?

Hoje tanto na Apple Store, quanto na Google Play temos notas muito positivas, acima dos 4.5 com um alto volume de avaliações, reforçando como o Glic tem sido importante para acompanhar as evoluções ao longo do tratamento.

O Glic é mantido por parcerias. O que pode ser falado sobre esse sistema de trabalho?

Para garantir a gratuidade da plataforma para os usuários, buscamos formas mais criativas de monetizar o negócio, por meio de projetos junto a indústria farmacêutica que visa entender melhor seus pacientes, bem como operadoras de saúde que visam reduzir os custos com o descontrole e complicações relacionados a diabetes, além de provedores de serviços que desejam acessar/se apresentar para esse público de pacientes, médicos e nutricionistas.

Como nutricionistas e médicos podem participar do aplicativo?

Médicos e nutricionistas podem criar uma conta como prescritores da plataforma, onde eles podem prescrever e acompanhar o prontuário e lançamentos dos seus pacientes, desde que sejam autorizados.

Ele está disponível em Android e iOS?

Sim, a plataforma Glic está disponível gratuitamente para Android e iOS.

Quais os próximos passos do Glic?

A empresa já está expandindo a sua operação para a América Latina, com o lançamento de um app nas lojas da Colômbia e demais países da região do Caribe e para 2022 Chile, Uruguai e Argentina em conjunto com parceiros estratégicos. Além disso, na mais recente atualização, incluímos um e-commerce que facilita a compra de insulina, para quem usa, diretamente pelo Glic.

O que será primordial para que a plataforma continue sendo diferenciada no mercado?

Entendemos que o tratamento do diabete é um tratamento complexo, um dos mais complexos da medicina, pois, envolve uma série de decisões que o paciente toma em casa sem necessariamente ter o apoio médico. Portanto, é primordial ter uma ferramenta de educação em diabetes orientada à tomada de decisão e, para isso, estamos trabalhando em formas mais inovadoras de educar o paciente, coletar e analisar os dados, para que o paciente e o médico possam focar no cuidado.

Compartilhar:
Tags:
Voltar ao Topo
Skip to content