Sua Página
Fullscreen

Como SBF enganou Gisele Bündchen e outros

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Nos bastidores do mundo das criptomoedas e das finanças globais, uma reviravolta surpreendente deixou investidores institucionais com um gosto amargo de desilusão. A FTX, uma plataforma de criptomoedas, virou manchete em todo o mundo quando suas ações pra lá de controvérsias (ou fraude como preferir), afetaram grandes investidores, incluindo nomes como Tiger Global Management, o Ontario Teachers’ Pension Plan, SoftBank Group, BlackRock, Lightspeed Venture Partners, Temasek e Sequoia Capital.

Em uma reviravolta chocante, a Sequoia Capital, conhecida por suas investidas assertivas no mundo das startups, teve que escrever o valor de sua participação na FTX como zero em 9 de novembro do ano passado, representando uma perda colossal de cerca de 214 milhões de dólares. Esta decisão teve ramificações imediatas, incluindo uma declaração pública da Sequoia Capital, que também foi compartilhada no Twitter, garantindo aos investidores que a participação da empresa na FTX representava apenas uma pequena parte de seu portfólio global. Além disso, a empresa substituiu o perfil de Sam Bankman-Fried, o fundador da FTX (atualmente preso), em seu site oficial por um link para a mesma declaração, buscando dissipar qualquer associação negativa.

Outro grande jogador financeiro, o Ontario Teachers’ Pension Plan, seguiu o exemplo da Sequoia Capital e emitiu uma declaração semelhante para esclarecer a situação aos seus investidores. Este movimento coletivo de redução de valor das ações da FTX em carteiras institucionais lançou luz sobre as táticas opacas que envolviam essa plataforma de criptomoedas e gerou uma onda de investigações e processos judiciais.

Mas a surpresa não parou por aí. Temasek, outro fundo investidor de renome, seguiu o exemplo e reduziu o valor de seu investimento na FTX em 16 de novembro do mesmo 2022. A sequência de investidores institucionais escrevendo seus investimentos serviu como um alerta para todo o mercado de criptomoedas e seus investidores. Uma questão premente surge: como esses investidores confiáveis foram enganados pela FTX?

A resposta a essa pergunta revela uma rede complexa de relações e estratégias que envolveram figuras públicas, celebridades e até mesmo supermodelos. Entre as celebridades que estavam envolvidas com a FTX, encontramos nomes de destaque como Tom Brady, Shaquille O’Neal, Stephen Curry, e a supermodelo Gisele Bündchen. Cada um desses indivíduos investiu na FTX ou recebeu compensações substanciais para promover a empresa. No entanto, a presença de Gisele Bündchen na FTX assumiu um papel particularmente intrigante.

Gisele Bündchen, além de seu status como uma das modelos mais bem-sucedidas do mundo em todos os tempos, também foi nomeada como conselheira de ESG (Environmental, Social, and Governance) da plataforma de criptomoedas. No entanto, após a falência da FTX, ela foi alvo de processos movidos por investidores que a acusaram de participar do suposto esquema da FTX para tirar vantagem de investidores inexperientes.

As alegações feitas contra Gisele Bündchen ecoaram em todo o setor financeiro e abriram um debate sobre a ética e a responsabilidade das celebridades em relação às empresas que promovem. Os investidores argumentaram que a associação de Gisele Bündchen à FTX conferiu legitimidade à plataforma e atraiu investidores, criando uma falsa sensação de segurança em relação ao investimento. Essa ação coletiva contra a supermodelo foi vista como um exemplo de como as celebridades podem ser usadas como peões em estratégias de marketing enganosas.

Leia ou ouça também:  Lotofácil: 20 dicas certeiras para você

Além disso, Anthony Scaramucci, fundador da SkyBridge Capital, anunciou que sua empresa estava tentando recomprar uma participação de 30% na FTX. Isso indicou que mesmo em meio ao caos, havia interesses contínuos e complexos envolvendo a FTX e seu futuro, deixando investidores e observadores perplexos quanto ao que viria a seguir.

Os efeitos desse drama financeiro não se limitaram apenas à FTX e seus investidores. O impacto se espalhou para outras empresas de criptomoedas e os mercados de criptomoedas em geral. A perda de confiança em uma plataforma de criptomoedas importante como a FTX levou os investidores a repensarem seus investimentos em outras plataformas e moedas digitais. A oscilação dos preços do Bitcoin, Ethereum e outras criptomoedas também foi influenciada por essa crise de confiança, mostrando a interconexão profunda entre as diferentes partes do mercado de criptomoedas.

Os reguladores financeiros começaram a analisar mais de perto as operações das plataformas de criptomoedas e as atividades de celebridades relacionadas a essas plataformas. Esses eventos catalisaram um debate global sobre a necessidade de regulamentação mais rigorosa no espaço das criptomoedas, buscando evitar futuros escândalos e proteger os investidores.

A saga da FTX e seus investidores institucionais enganados serve como um alerta sobre os riscos inerentes ao mundo das criptomoedas e as complexas estratégias de marketing envolvidas. Ela também destaca a responsabilidade das celebridades em suas associações comerciais e o papel crucial dos reguladores financeiros na proteção dos investidores. O impacto dessa reviravolta continua a ser sentido no mercado de criptomoedas, à medida que os investidores buscam recuperar a confiança perdida e as autoridades buscam garantir maior transparência e responsabilidade no setor.

Última atualização da matéria foi há 5 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content