Fábio Bussinger: “A aceitação e adesão têm nos surpreendido”

 Fábio Bussinger

Diferentemente do conhecimento explícito, que é transmissível em linguagem formal e, por conta disso, de fácil acesso em recursos de textos, vídeos ou fotos, o conhecimento tácito só pode ser produzido através da experiência de vida. É o famoso “pulo do gato” ou “manha”. Por sua natureza subjetiva, é muito difícil de se formalizar, colocá-lo em manuais, pois, pode ser acessado somente por meio de colaboração direta e de comunicação com pessoas que o detêm. O conhecimento tácito acaba sendo um ativo da empresa que somente o funcionário que o detém tem acesso e, por conta dessa particularidade, é perdido quando o funcionário é desligado, transferido ou aposentado. As empresas são proprietárias e gerenciam seus ativos, processos e produtos, mas não o conhecimento necessário para que sejam operados ou executados corretamente. Foi esse tipo de necessidade que chamou a atenção de Fábio Bussinger, CEO da QRtraining, uma plataforma digital voltada ao gerenciamento de conhecimento industrial. Por uma assinatura mensal, as empresas podem enviar seus vídeos tutoriais e armazená-los para que possam ser acessados por seus colaboradores a qualquer hora, quer sejam instruções digitais, micro treinamentos no próprio local de trabalho, registro de conhecimento tácito das operações críticas da empresa, tudo com acesso fácil, ágil e com inteligência de organização de conteúdo, através da simples leitura de QR Codes.

Fábio, por que o setor industrial ainda sofre com falhas no compartilhamento de informações?

O setor industrial ainda utiliza majoritariamente práticas de treinamento e gestão de conhecimentos operacionais baseados em processos analógicos como procedimentos em papel, turmas formais e registros de treinamento em papel, o todo do conhecimento tácito, que realmente faz com que os processos sejam executados perfeitamente residem somente na memória dos funcionários mais experientes, não sendo um ativo gerenciado pela empresa. Existe um custo invisível significativo relacionado a tempo elevado de treinamento, retrabalhos, reprovação de lotes, perdas em processo, etc… quando se perde um funcionário experiente, seja por saída desta pessoa para outra empresa, aposentadoria, ou transferência, por exemplo, e há necessidade de se treinar seu substituto nos processos analógicos antigos.

O que essas falhas podem resultar para as empresas que fazem parte deste setor?

Sempre resultam em aumento de custos operacionais, e consequentemente perda de competitividade relativa de mercado, além do elevado custo e quantidade de recursos necessários para se manter processos constantes de treinamento em função da rotatividade (turnover) nas áreas operacionais, e via de regra esses “custos invisíveis” não são percebidos e considerados nas análises de produtividade das empresas industriais.

Essa necessidade foi o seu insight para a criação da QRtraining?

Sem dúvida. Sofri as consequências desses processos analógicos e antigos de treinamento tradicional durante meus quase 30 anos de carreira no setor farmacêutico, e ao me envolver profundamente e buscar atualização no que acontecia no mundo em termos de transformação digital na minha área de atuação nos últimos 3 anos, percebi que a combinação de tecnologias já disponíveis e a um custo acessível, poderia ser utilizada numa solução/produto que resolveria a dor de todo gestor das mais diversas áreas de operações industriais. Me deparei com soluções de treinamento digital desenvolvidas para mercados de varejo no Canadá e Coreia do Sul que serviram de inspiração para o desenvolvimento da plataforma QRtraining.

Quais os grandes diferenciais dessa plataforma?

A plataforma QRtraining tem sido apontada pelos clientes e usuários como uma solução disruptiva para processos de treinamento operacional, 100% baseada em tecnologias digitais e treinamentos em mídia por streaming. Com ela qualquer conteúdo operacional pode ser gravado em vídeo e disponibilizado para todos os funcionários, com a existência de inteligência de organização de conteúdo e acesso ágil através somente da leitura de um QRcode atrelado a cada equipamento, processo ou produto, ou seja, o funcionário de posse de um celular ou tablet pode ser treinado “on the job”, ou sanar uma dúvida sobre o processo que está executando imediatamente e no mesmo local físico onde está trabalhando, aplicado o conhecimento tácito onde e quando precisar, sem com isso ter que parar o que está fazendo, sair de seu posto de trabalho ou área produtiva, buscar um procedimento escrito, ler o documento e no final ainda ficar em dúvida de como fazer. Isso é produtividade e redução de custos operacionais diretos, através da utilização de tecnologia digital no chão de fábrica.

O que você considera ser primordial no gerenciamento do conhecimento industrial?

As empresas são donas de R$ milhões em ativos equipamentos, dos produtos e processos, porém, não gerenciam e não detém o ativo intangível do conhecimento que faz todo ser transformado, se tornando refém da mente e memória dos funcionários mais experientes, e que muitas vezes não têm habilidade didática para treinar outras pessoas, e isso é um aspecto via de regra negligenciado até então nas organizações industriais, principalmente setores mais conservadores. Sempre debati com meus colegas das áreas de treinamento, recursos humanos, excelência operacional, etc…, que este conhecimento é um ativo intangível muito relevante para ser negligenciado.

Quais as características do conhecimento tácito e explícito no gerenciamento do conhecimento industrial?

O conhecimento explícito é aquele que se consegue registrar de forma objetiva, porém, padronizado e geral, que via de regra estão nos procedimentos operacionais, porém, não são de perto suficientes para que as pessoas sejam treinadas e executem suas funções em supervisão, ao passo que o conhecimento tácito é aquele que é específico de cada produto, partes do processo, chamado popularmente do “pulo do gato”, e este dificilmente se consegue colocar no papel de forma escrita. Por isso temos sempre situações em todas as empresas em que um determinado ajuste numa linha de produção só consegue ser feito pelo “fulano de tal”, e como esse fulano não trabalha 24h, muitas vezes a linha produz “mal ajustada” gerando unidades defeituosas, reprocessos e baixa produtividade.

Essa experiência trazida pelo conhecimento tácito é o que faz a QRtraining ser uma plataforma ideal para um mundo em ebulição?

Além das empresas conseguirem “perpetuar” esse conhecimento tácito transformando-o em ativo gerenciado formalmente, temos também o aspecto relacionado ao novo conceito chamado “Internet of Behaviour” – IoB – pois, as pessoas cada vez mais estão interagindo com diversas formas de conteúdo através de seus celulares ou tablets, lendo cada vez menos jornais, revistas e livros em papel, mas sim consumindo conteúdo digital e mudando a cultura do comportamento em consequência. Imagine qual será a forma que irá gerar maior engajamento nos processos de aprendizado e treinamentos nas empresas, processos antigos baseados em procedimentos escritos, ou uma plataforma digital de streaming de treinamentos operacionais?

O QRtraining proporciona uma experiência de práticas do século em que estamos, e está muito próxima e cultura e forma de consumo de conteúdo de todas as pessoas que são os funcionários das áreas de operações da empresa. Temos relatos de clientes em que os funcionários estão aproveitando tempos “mortos” quando uma linha necessita de manutenção corretiva, por exemplo, para acessar a plataforma e assistir a um micro treinamento em vídeo diretamente na linha de produção. Isso é uma mudança radical de comportamento e produtividade para as empresas industriais.

Como a QRtraining lida com a confidencialidade do conteúdo?

Sigilo, confidencialidade e proteção intelectual de conteúdo foram definidos como fatores críticos de sucesso desde início de programação de primeira linha de código da plataforma. Como sou oriundo do setor farmacêutico, esses conceitos já são parte do meu “mindset”, e desenvolvemos funcionalidades de segurança, combinando diferentes tecnologias digitais para isso. A funcionalidade mais inovadora é a de Geolocalização de acesso (Content GeoFence), onde cadastramos a geolocalização de cada fábrica da empresa e é gerado automaticamente um raio de acesso permitido, ou seja, os funcionários só conseguem acessar a plataforma e consumir conteúdo se estiverem fisicamente dentro da fábrica, caso contrário a plataforma não libera o acesso através desse controle.

Outra funcionalidade é a de bloqueio de gravação de tela, ou seja, se alguém mal-intencionado tente gravar os vídeos do QRtraining utilizando Apps externos os gravadores nativos dos aparelhos móveis, a plataforma detecta imediatamente esta tentativa, bloqueando e “deslogando” o usuário imediatamente. A terceira funcionalidade é justamente a tecnologia de visualização por streaming, igual à utilizada pela Netflix, Amazon Prime Video, entre outras, por exemplo, onde os arquivos são acessados somente pela nuvem (Cloud) não podendo ser feito download para os aparelhos móveis utilizados para visualização dos vídeos, garantindo que ninguém conseguirá compartilhar conteúdo por WhatsApp ou e-mail. O QRtraining passou por rigoroso processo de validação de sistemas computadorizados e foi aprovado em todos os testes de segurança.

A plataforma foi lançada em janeiro deste ano. Como tem sido a adesão de lá, para cá?

A aceitação e adesão têm nos surpreendido desde o lançamento, e já temos como clientes empresas de grande porte como Hypera Pharma, uma das maiores empresas farmacêuticas do Brasil, multinacionais como Laboratório Abbott e Guerbet, e mais 5 empresas em processo de formalização de contrato.

Empresas de outros países já entraram em contato a QRtraining?

Estamos divulgando a plataforma também em Portugal, e a maior empresa produtora de lacticínios chamada Lactogal está em fase de projeto-piloto com contratação prevista até as próximas semanas. Existem ainda expectativa de implementação da plataforma em sites no exterior das empresas multinacionais clientes no Brasil, uma vez que a plataforma já nasceu “multilanguage” em Português, Inglês, Espanhol e Francês.

Como vislumbra o futuro da plataforma?

Pela repercussão até o momento não tenho dúvidas que o QRtraining irá mudar o padrão e cultura de treinamentos operacionais na indústria, estando completamente alinhado a nova era digital, e contribuirá no desenvolvimentos dos profissionais das áreas de operações pelo contato com tecnologia de ponta à nível global, pois, o QRtraining não é percebido somente como uma plataforma de treinamento, mas sim uma ferramenta de mudança de mindset e cultura nas organizações industriais.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content