Mariana Bonora: “Vimos como esse processo era descentralizado”

Mariana Bonora

Um ano após a sua sanção e adaptação do mercado, a Lei do Agro segue impactando diferentes setores. Entre as suas principais modificações, agora novos ativos podem utilizar a CPR (Cédula de Produto Rural) no financiamento de suas culturas. Para a agtech Bart Digital, empresa pioneira na emissão eletrônica deste título, as mudanças legislativas impactam positivamente a oferta de recursos para a agricultura e, em especial, a agricultura sustentável. Uma das mudanças positivas foi a inclusão de ativos florestais no rol de produtos que podem lastrear uma CPR, um movimento que acompanha a recente digitalização do setor.

É o que explica Mariana Bonora, CEO da Bart Digital:

“Até 2019, o interesse pela digitalização dos recebíveis e financiamento agrícola era mais latente em culturas que já se financiavam no mercado de capitais, como soja, milho, cana, café e algodão. Com a popularização da tecnologia e diversificação dos instrumentos financeiros do agro, passamos a receber demanda de outros segmentos, como produtores de arroz, aveia, boi, carbono, eucalipto, feijão, gergelim, leite, madeira, entre outros”.

Apesar da Lei do Agro já ter contemplado a inclusão dos ativos ambientais no rol de produtos que podem lastrear CPRs, o Governo prepara também um decreto para criação da CPR Verde, que permitirá a negociação da floresta em pé ou em crescimento e o sequestro de carbono feito por elas.

Como consequência da expansão do mercado, a agtech londrinense Bart Digital quadruplicou sua base de clientes e passou a atender outras startups, cooperativas, revendas, usinas, instituições financeiras, securitizadoras, confinamentos e indústrias.

“A base de clientes ainda tende a aumentar à medida em que o mercado consiga absorver todas as oportunidades trazidas pela modernização legal e crescente digitalização do setor”, afirma Bonora.

“A Bart Digital começou em 2016, ao percebermos a burocracia presente nas operações de barter, que é a troca de insumos por produção agrícola. Em contato com o mercado, vimos como esse processo era descentralizado. Nem todo produtor rural assinava os documentos digitalmente, nem todas as empresas aceitavam documentos digitais e os cartórios também não estavam familiarizados com esse processo”, complementa Bonora.

Para a especialista, a pandemia e a Lei do Agro impulsionaram a modernização do agronegócio, e seus impactos ainda serão vistos a longo prazo.

A Bart Digitou movimentou R$5,7 bilhões em CPRs entre fevereiro de 2020 a julho de 2021, e espera chegar a R$10 bilhões até final do ano.

“Toda essa digitalização do setor permite que o produtor rural se fortaleça, pois quando se tem tudo em bases digitais, é muito mais fácil compreender o risco, adotar mecanismos de proteção, e identificar novas oportunidades. Estamos vendo o produtor rural participando mais do mercado, o que reflete não apenas em conhecimento, mas também no acesso ao crédito e no consequente crescimento de toda a cadeia produtiva”, conclui.

Sobre a Bart Digital:

Pioneira na emissão de e-CPR (Cédula de Produto Rural eletrônica), a Bart Digital é uma agtech fundada em 2016 que visa oferecer soluções digitais voltadas ao financiamento agrícola. A empresa é dirigida por sua fundadora, a advogada Mariana Bonora, que também é membro da Diretoria da ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs).

A CPR é um título de crédito que representa uma promessa de entrega futura de um produto agropecuário. Seu uso visa facilitar a produção e comercialização rural.

Atualmente, a CPR é um dos principais instrumentos de financiamento privado do agronegócio. Sendo assim, é responsável por ajudar produtores e cooperativas a comercializar a produção agropecuária brasileira.

Após a publicação da Lei do Agro, as CPRs financeiras ou físicas, desde janeiro de 2021, deverão ter registro em uma entidade autorizada pelo Banco Central do Brasil para terem validade.

*Com participação do jornalista Rafael Revadam.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content