Rodrigo Hülsenbeck: “O mercado está em transformação”

 Rodrigo Hülsenbeck

A PremierSoft é uma empresa catarinense de tecnologia especializada no desenvolvimento de projetos mobile para as mais diferentes áreas, destacando-se nos segmentos de finanças, gastronomia, educação e varejo. Fundada em 2011, atende clientes em todo o país e tem em seu portfólio marcas como FaberCastell, Central Ailos e PagueVeloz. O seu CEO é Rodrigo Hülsenbeck, que fala nessa entrevista exclusiva para o portal Panorama Mercantil sobre a mão de obra no mercado de tecnologia: “A falta de mão de obra torna mais cara o valor/hora dos profissionais que estão disponíveis para os projetos. As empresas que percebem o quanto a tecnologia é necessária para o desenvolvimento e conectividade de um negócio, compreendem que apesar do alto valor/hora dos profissionais, é um investimento que proporciona retorno bastante positivo para o negócio. Porém, nem todas as empresas possuem recursos para realizar tamanho investimento. Esse fator faz com que projetos inovadores e tecnológicos fiquem limitados a empresas de faturamento maior, privando o desenvolvimento de negócios que têm relevância para a economia”, afirma. Ele ainda diz: “A pandemia provou que não é necessário estar perto ou presente para que um trabalho seja bem-feito. Os profissionais de RH da área tecnológica derrubaram os muros e passaram a abordar profissionais do mundo todo”.

Rodrigo, a falta de mão de obra no mercado de tecnologia não acompanha os avanços. Por que isso ocorre?

Apesar da demanda estar crescendo de forma acelerada e a inovação ser uma tendência mundial, a educação tecnológica qualificada está limitada. Anualmente, na área de tecnologia há mais vagas no mercado de trabalho do que em instituições de ensino, como: cursos de especialização, técnicos e livres, que formam esses profissionais.

Quais os impactos na economia com a atual falta de mão de obra?

A falta de mão de obra torna mais cara o valor/hora dos profissionais que estão disponíveis para os projetos. As empresas que percebem o quanto a tecnologia é necessária para o desenvolvimento e conectividade de um negócio, compreendem que apesar do alto valor/hora dos profissionais, é um investimento que proporciona retorno bastante positivo para o negócio. Porém, nem todas as empresas possuem recursos para realizar tamanho investimento. Esse fator faz com que projetos inovadores e tecnológicos fiquem limitados a empresas de faturamento maior, privando o desenvolvimento de negócios que têm relevância para a economia.

Como resolver esse problema?

Investindo em educação tecnológica qualificada! É algo que deve partir tanto do setor público quanto do privado. Além disso, o acesso facilitado a essa educação é necessário para que quanto antes, fique proporcional o número de profissionais disponíveis com o número de vagas abertas. Algo que tem sido praticado por algumas empresas, inclusive pela PremierSoft, são os Programas de Capacitação Remunerada. Na PremierSoft, por exemplo, nós criamos o AppAcademy. Já na primeira edição, formamos três turmas: QA, Dev iOS e Dev Android. Após os três meses de treinamento, todos os alunos foram efetivados como juniors na PremierSoft.

Acredita que poderá haver um colapso nas áreas de TI e Inovação pós-pandemia?

Acredito que não. A pandemia provou que não é necessário estar perto ou presente para que um trabalho seja bem-feito. Os profissionais de RH da área tecnológica derrubaram os muros e passaram a abordar profissionais do mundo todo.

A pandemia foi o acelerador que escancarou o déficit de profissionais para esse setor?

Com certeza! A demanda por serviços digitais e tecnológicos cresceu, além disso, o teletrabalho proporcionou oportunidades para profissionais de tecnologia brasileiros serem contratados por empresas de todo o mundo. Se antes os profissionais eram disputados, com essa oportunidade ficaram mais ainda.

Quais os maiores desafios para o profissional que já está nessa área?

O mercado de tecnologia está em constante transformação. É muito importante para os profissionais da área estarem atentos aos lançamentos, novidades e novas áreas que aparecem a cada dia nessa área.

E quais seriam os maiores desafios para o profissional que quer estar neste setor?

O acesso à Educação Qualificada. Há um universo de cursos à distância na internet, com conteúdo superficial que não prepara o aluno para as necessidades do mercado de trabalho. É necessária uma educação de qualidade, com mentores de referência e que prestam apoio aos alunos. O conhecimento e a educação são dois fatores decisivos para a contratação de quem está começando.

Sabemos que não é na faculdade que desenvolvemos habilidades para atuar na área da tecnologia. Como capacitar esses valores que muitas vezes estão escondidos por aí?

Através de cursos de extensão, cursos técnicos ou capacitação remunerada (ou não) de empresas de tecnologia que estão investindo na área.

Como se encontra a PremierSoft nesse contexto?

A PremierSoft tem oferecido vagas para diversos tipos de desenvolvedores da área de tecnologia mobile. Nosso título de 4ª Melhor Empresa para se Trabalhar no Brasil (Ranking GPTW 2021) prova que não medimos esforços para que a PremierSoft seja um ambiente de trabalho agradável e confortável, com benefícios e cultura corporativa que promovem o bem-estar dos funcionários, tanto para os que trabalham de forma presencial, quanto para os que trabalham de forma remota.

Além disso, como já citado, desenvolvemos um Programa de Capacitação Remunerada, o AppAcademy, que atualmente está em sua segunda edição e com inscrições abertas para três turmas: QA, Desenvolvimento iOS e Desenvolvimento API .NET.

Estamos sempre buscando alternativas de atrair estes profissionais que tanto são solicitados pelo mercado de trabalho.

A sua empresa está em evidência no mercado mobile. O futuro será ainda mais mobile?

Produtos e serviços inovadores vieram para ficar, e é claro, serem aprimorados constantemente. O mobile proporciona conexão e acessibilidade de forma facilitada, sendo uma ferramenta cada vez mais útil e necessária para pessoas e empresas. A tendência é o mobile seguir firme, com atualizações e melhorias ao longo dos anos.

Qual o poder do consumidor nesse universo?

A tecnologia é feita por pessoas e para pessoas. O consumidor tem o poder de exigir produtos e serviços de qualidade e de boa usabilidade. O consumidor tem voz ativa, realizando feedbacks que ajudam o setor a melhorar cada vez mais através de: correção de bugs, desenvolvimento de novos projetos e inovando de acordo com as necessidades das pessoas e do mercado.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content