Aleksander Avalca: “O cálculo não é tão simples”

 Aleksander Avalca

Ao abrir um negócio, o empreendedor geralmente fica atento em como se diferenciar no mercado para atrair mais clientes e obter lucro. Muitos investem tempo e recursos para aprenderem em como vender mais, que é o objetivo de todo empreendimento, porém, a área financeira geralmente fica à deriva. O controle das finanças só se evidência quando o negócio começa a desandar e, em muitos casos, quase à beira da falência. Há casos em que o negócio está em crescimento, ganhando mais dinheiro, mas as contas não fecham no final do mês e isso acontece exatamente pela falta de conhecimento da gestão; não ter controle do que entra e do que sai de dinheiro, mesmo quando parece que o negócio vai bem, é como dirigir um carro em alta velocidade no escuro. Segundo Aleksander Avalca, sócio-fundador da 4blue, empresa especializada em finanças para médios, micros e pequenos empreendedores, geralmente esse empresário só busca por planejamento financeiro quando o seu negócio não vai bem. “Entre todos os nossos clientes, a maioria nos procurou para resolver os problemas e não para preveni-los. Entre as mais de três mil pessoas atendidas por nós, menos de 5% veio até a 4blue quando abriu a empresa para ter um direcionamento em como administrar seus negócios de maneira mais eficiente”. Com o advento do novo coronavírus então, esses problemas se multiplicaram, fechando milhares de empresas.

Aleksander, quais os principais passos para uma boa gestão financeira de um negócio?

Existem alguns pilares na Gestão Financeira, mas sem dúvida os 3 primeiros seriam:

Separação das finanças da empresa e dos sócios, controle financeiro e fluxo de caixa. Destes, inicie com a estrutura do fluxo de caixa adequada, o plano de contas bem definido, assim conseguimos ter o controle, sabendo lançar tudo em seu devido local. Com isso já conseguimos ter uma “sensação” do que está ocorrendo, mas não podemos ficar só nisso. Com uma boa estrutura e lançamentos adequados, conseguimos visualizar e a partir disso analisar o que está acontecendo em cada item da nossa empresa, como estão os indicadores e onde focar nossos esforços. Com esta estrutura correta, conseguimos fazer mais facilmente a etapa de separação das finanças e também lidar com a precificação, que é mega importante para lucratividade do negócio.

Quais os maiores erros dessa gestão?

Ignorar “pequenas contas”; Misturar as finanças; Não ter uma rotina financeira (desde lançamentos até a rotina de análise todo fechamento de mês); Precificar de qualquer maneira (multiplicando por 3x, por exemplo); Ter o pensamento “é só vender mais”; Constantemente fazer contas simples e até mesmo no ‘achamos’; Não negociar com fornecedores, bancos e taxas de cartão.

Quando esses erros podem ser fatais?

A partir do momento que começam a acontecer. Pode levar alguns meses para ser fatal, mas pode levar alguns dias. Quanto mais cedo começar a corrigir, mais saudável será para a empresa e para o empresário. O maior problema é que estes erros muitas vezes são invisíveis. Como se fosse uma hemorragia interna. Muitas vezes não há mais tempo.

Os empresários se dão conta quando a gestão financeira de um negócio não está bem?

Infelizmente muitos demoram ou precisam de uma crise para se atentarem à gestão financeira dos seus negócios. E mais… muitas vezes o empresário acha que o problema é outra coisa, como aumentar vendas ou concorrência. Às vezes precisa realmente alguém de fora para mostrar que as finanças podem ajudar neste ponto.

O coronavírus foi um fator preponderante para os problemas de gestão?

Foi, ainda está sendo, mas em menor escala, uma crise e crises afetam negócios. Umas mais, como o caso do coronavírus e outras menos. Mas crises tem início, meio e fim e os empresários devem estar sempre preparados para elas, pois, crises são cíclicas e acontecem, não foi a primeira nem a última. É aquela história, “em tempos de crise, quem tem caixa é rei”. Quanto mais cedo se preparar, melhor será a sua passagem pela crise.

Por que os clientes só buscam o planejamento financeiro quando não estão bem na maioria dos casos?

É como saúde, muitos de nós só procuramos o médico quando estamos mal, poucos são os que pensam em se prevenir, exames de rotinas, etc. Com as finanças, infelizmente, é parecido. Temos que nos planejar sempre para evitar dores, evitar perdas e ficar com a saúde em dia, nossa e da empresa.

Qual o poder de uma precificação correta para uma boa gestão de um negócio?

Vou te dar um exemplo. Imagina uma empresa que vende um produto que é mais caro de se produzir do que o preço que se ganha com a venda desse item. Percebe o quanto isso pode matar um negócio? Por isso que precificar correto melhora não só resultados, mas a gestão do negócio como um todo. Mas claro, para precificar correto é preciso ter uma gestão financeira correta, controle, saber analisar e assim conseguir precificar certinho. Precificação está longe de “multiplicar o custo por um número mágico”. Envolve matemática e método. Preço errado não paga as contas. Não pagar as contas causa prejuízo.

Como precificar um produto de uma maneira rápida e eficiente?

Usando ferramentas corretas. O cálculo não é tão simples, mas vamos lá: Preço de venda = CVun x Markup. Claro que, usando uma ferramenta adequada, o cálculo sai bem mais rápido e prático.

Você já disse que pequenas economias geram grandes valores no final do ano. Como não ceder as tentações de “colocar a mão” nesse capital para usos pessoais?

Entendendo o seu propósito. É como falamos: Primeiro empresa rica, depois empresário rico. Inverter essa ordem é ter dinheiro hoje e impactar o futuro. Isso só ocorre pela falta de visão que a gestão financeira pode trazer para sua empresa.

A mistura do que pode se retirado ou não da empresa também gera conflitos. Como os empresários devem estar atentos a essa questão?

Sim, é algo que afeta bastante e um dos pilares é justamente essa separação entre PF e PJ. Isso vai trazer mais uma clareza não só para empresa, mas para a vida pessoal do empresário. Definir um pró-labore, usar contas bancárias separadas, entre outros pontos. Tudo isso ajuda nessa separação e evita esses conflitos. E sem pensar em percentual de faturamento ou lucro. Seu pró-labore precisa ser fixo, para gerar uma previsibilidade para você e para a empresa. Como você vai ter uma vida se um mês você ganhar 500,00 e no outro 5.000,00?

Esse seria um fundamento essencial para uma gestão financeira saudável?

Sim, essa separação é um dos 6 pilares da gestão financeira. Os outros são: Controle financeiro, Demonstrativos Financeiros, Precificação, Finanças Estratégicas e Segurança Financeira.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content