Sua Página
Fullscreen

Telemedicina: modalidade de atendimento ganha força após pandemia

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

A telemedicina, definida como a prestação de serviços médicos à distância, usando tecnologia de comunicação, como videoconferência, chamadas de áudio e aplicativos de mensagens, ganhou popularidade durante a pandemia devido à sua capacidade de fornecer atendimento médico de qualidade sem a necessidade de contato físico . Isso permitiu que os pacientes acessassem os cuidados médicos em suas próprias casas, minimizando o risco de infecção pelo coronavírus.

Além disso, a telemedicina tem se mostrado útil em situações de triagem, permitindo que os profissionais de saúde identifiquem pacientes que precisam de atendimento presencial urgente e encaminhe apenas esses casos, atendendo a carga sobre os serviços de saúde e esperando o tempo de espera para os pacientes que precisam de atenção imediata.

A crescente adoção da telemedicina é apoiada por pesquisas recentes. Segundo um estudo publicado na revista científica JAMA Network Open, a telemedicina foi associada a uma diminuição significativa nas visitas presenciais aos departamentos de emergência durante a pandemia, indicando que essa modalidade de atendimento pode ser uma forma eficaz de reduzir a superlotação nos hospitais e melhorar a eficiência dos cuidados de saúde.

Além disso, um relatório do McKinsey Global Institute prevê que até 2030, a telemedicina poderia representar um mercado de até US$ 250 bilhões trimestrais nos Estados Unidos, abrangendo consultas virtuais, monitoramento de saúde remota e serviços de saúde digital.

No entanto, a telemedicina também enfrenta desafios e questões regulatórias. A privacidade e a segurança dos dados do paciente são preocupações importantes, assim como a qualidade do atendimento à distância em comparação com o atendimento presencial. Também é necessário garantir que a telemedicina seja acessível a todas as comunidades, independentemente de sua localização ou nível socioeconômico, para evitar a exclusão de segmentos da população.

Para enfrentar esses desafios, os reguladores de saúde em muitos países têm diretrizes e regulamentações específicas para a telemedicina, visando proteger a privacidade e a segurança dos dados do paciente, além de garantir a qualidade dos cuidados prestados. Por exemplo, nos Estados Unidos, a Lei de Portabilidade e Responsabilidade do Seguro de Saúde (HIPAA) foi modificada temporariamente durante a pandemia para permitir o uso mais amplo da telemedicina, ao mesmo tempo em que fornece salvaguardas para a privacidade dos pacientes.

Leia ou ouça também:  As mulheres no empreendedorismo

Outro desafio é garantir que a telemedicina seja acessível a todas as comunidades, especialmente aqueles que podem ter acesso limitado a serviços de saúde devido a questões geográficas, financeiras ou tecnológicas. É fundamental garantir que as soluções de telemedicina sejam acessíveis em termos de custo, infraestrutura tecnológica e capacidade de linguagem, para que pessoas de todas as origens possam se beneficiar dessa modalidade de atendimento.

Apesar dos desafios, a telemedicina tem se mostrado uma solução eficaz para a prestação de cuidados médicos em meio à pandemia e está ganhando força como uma modalidade de atendimento após uma crise de saúde global. 

Para o especialista da área da saúde, Mario Mendes Jr, fundador da MultUSA empresa especializada em soluções de saúde para brasileiros nos EUA, “a flexibilidade, a tolerância e a capacidade de alcançar pacientes em áreas remotas são alguns dos principais benefícios dessa abordagem. A expectativa é que a telemedicina continue evoluindo e se tornando uma parte integrada dos cuidados de saúde para garantir inclusão”.

Última atualização da matéria foi há 10 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights