Anúncios
Sua Página
Fullscreen

A incrível história do secular Panteão de Paris

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

O Panteão de Paris é um dos monumentos mais emblemáticos da capital francesa. Sua história é rica, cheia de transformações e marcada por eventos significativos que refletem as mudanças políticas, sociais e culturais da França ao longo dos séculos. Neste texto, exploraremos a fascinante trajetória do Panteão por meio de sete subtítulos, cada um abordando um aspecto crucial de sua evolução e significado.

Origens e idealização

A história do Panteão de Paris começa no século XVIII, durante o reinado de Luís XV. Em 1744, após uma grave doença, Luís XV fez um voto para construir uma igreja dedicada a Santa Genoveva, padroeira de Paris, caso se recuperasse. Recuperado, ele cumpriu sua promessa e, em 1755, encomendou ao arquiteto Jacques-Germain Soufflot a construção de um edifício grandioso que combinasse a magnificência da arquitetura clássica com a funcionalidade das igrejas cristãs.

Soufflot propôs um projeto ambicioso inspirado no Panteão de Roma, mas com um toque francês. O objetivo era criar uma igreja que simbolizasse o poder e a glória da monarquia francesa, além de servir como um local de culto e peregrinação.

Anúncios

Construção e desafios arquitetônicos

A construção do Panteão começou em 1758 e enfrentou inúmeros desafios ao longo das décadas seguintes. Soufflot teve que lidar com problemas estruturais, atrasos e a morte de Luís XV, que deixaram o projeto em suspenso por algum tempo. A Revolução Francesa, que começou em 1789, também teve um impacto significativo na construção, pois os recursos foram redirecionados para a guerra e a nova ordem social.

Apesar dos desafios, Soufflot conseguiu criar uma obra-prima da arquitetura neoclássica. O edifício foi concluído em 1790, após sua morte, sob a supervisão de seus alunos. O Panteão possui uma fachada imponente com colunas coríntias, uma cúpula majestosa e um interior vasto e luminoso. Sua arquitetura é uma fusão harmoniosa de elementos góticos e clássicos, refletindo a ambição e a inovação do projeto original.

Transformação durante a Revolução Francesa

A Revolução Francesa trouxe uma mudança radical no propósito do Panteão. Em 1791, a Assembleia Nacional decidiu transformar a igreja de Santa Genoveva em um mausoléu para abrigar os restos mortais dos grandes homens da França. Este novo propósito refletia os ideais republicanos de igualdade, liberdade e fraternidade, celebrando os cidadãos que haviam contribuído significativamente para a nação.

O primeiro a ser enterrado no Panteão foi Honoré Gabriel Riqueti, o Conde de Mirabeau, um dos líderes revolucionários. Ao longo dos anos, muitos outros heróis da Revolução e figuras notáveis foram sepultados lá, incluindo Voltaire, Rousseau, Victor Hugo e Émile Zola. O Panteão tornou-se um símbolo da nova ordem republicana, honrando aqueles que lutaram pela liberdade e pela justiça.

Anúncios

De mausoléu a igreja e de volta

Durante o século XIX, o Panteão passou por várias transformações, refletindo as oscilações políticas da França entre monarquia, império e república. Napoleão Bonaparte, ao se tornar imperador, ordenou que o Panteão voltasse a ser uma igreja em 1806. No entanto, após sua queda, a restauração da monarquia em 1814 levou novamente à secularização do edifício.

Em 1830, com a ascensão de Luís Filipe ao trono, o Panteão foi novamente convertido em um mausoléu nacional. Este ciclo de transformações continuou até a Terceira República, que finalmente estabeleceu o edifício como um mausoléu permanente em 1885, após a morte de Victor Hugo. Desde então, o Panteão tem servido consistentemente como um local de sepultamento para grandes figuras da França, consolidando seu papel como um símbolo da memória nacional.

Arquitetura e arte no Panteão

O Panteão não é apenas um lugar de descanso eterno para figuras ilustres; também é um monumento arquitetônico e artístico de grande importância. A estrutura imponente da cúpula, que se eleva a 83 metros de altura, é um dos marcos visuais mais reconhecíveis de Paris. A cúpula tripla, inspirada na Basílica de São Pedro em Roma, permite uma iluminação natural impressionante no interior do edifício.

Leia ou ouça também:  Qual foi o papel dos Libertadores da América?

O interior do Panteão é adornado com obras de arte significativas. Os afrescos de Puvis de Chavannes, que retratam a vida de Santa Genoveva, são particularmente notáveis. Além disso, o Panteão abriga o famoso Pêndulo de Foucault, uma experiência conduzida por Léon Foucault em 1851 para demonstrar a rotação da Terra. Este experimento científico tornou-se uma atração popular e um símbolo da ligação entre ciência e a herança cultural.

Figuras notáveis sepultadas no Panteão

O Panteão abriga os restos mortais de muitas figuras proeminentes que contribuíram para a cultura, ciência, literatura e política francesas. Entre eles estão:

Voltaire e Rousseau: filósofos iluministas cujas ideias influenciaram profundamente a Revolução Francesa e o pensamento moderno.

Victor Hugo: escritor de renome mundial, autor de “Os Miseráveis” e “O Corcunda de Notre-Dame”.

Anúncios

Émile Zola: autor naturalista, defensor do caso Dreyfus e um dos escritores mais influentes da literatura francesa.

Marie Curie: a primeira mulher a ser sepultada no Panteão por seus próprios méritos, em reconhecimento às suas contribuições à ciência e sua descoberta do rádio e do polônio.

A inclusão dessas figuras no Panteão reflete a valorização francesa do talento, da inovação e da contribuição para a humanidade, independentemente das origens sociais ou políticas.

O Panteão hoje: símbolo de memória e cultura

Atualmente, o Panteão é um dos monumentos mais visitados de Paris e um importante símbolo de memória e cultura nacional. Além de ser um mausoléu, o Panteão é palco de inúmeras cerimônias e eventos que celebram a herança francesa. Em 2015, quatro novas personalidades foram transferidas para o Panteão, incluindo Germaine Tillion, Geneviève de Gaulle-Anthonioz, Pierre Brossolette e Jean Zay, todos reconhecidos por sua resistência durante a Segunda Guerra Mundial e suas contribuições à sociedade.

O Panteão também continua a inspirar e educar visitantes através de suas exposições e programas culturais. O monumento não apenas celebra o passado, mas também fomenta um entendimento mais profundo da história e dos valores que moldaram a França moderna.

Testemunho da França

A história do Panteão de Paris é um testemunho das complexas e ricas transformações que a França experimentou ao longo dos séculos. Desde sua concepção como uma igreja dedicada a Santa Genoveva até sua transformação em um mausoléu nacional, o Panteão reflete as mudanças políticas, sociais e culturais que definiram a nação. Sua arquitetura impressionante e suas obras de arte, combinadas com o significado dos indivíduos sepultados ali, fazem do Panteão um símbolo duradouro da memória e da cultura francesa. Hoje, ele continua a ser um lugar de reflexão, celebração e inspiração, honrando o legado dos grandes homens e mulheres que contribuíram para o progresso da humanidade.


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights