Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Irã X EUA: se desenha um real confronto total

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Nos mais de 100 dias desde que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro, o Presidente Joe Biden tem enfrentado o desafio de ajudar Israel a vencer sua guerra em Gaza, ao mesmo tempo, em que tenta evitar que o conflito se transforme em uma guerra regional com o Irã e seus aliados. O crescente confronto entre o “eixo de resistência” do Irã e Israel, juntamente com os Estados Unidos, tem resultado em ataques cada vez mais perigosos, incluindo assassinatos, lançados de ambos os lados. Este cenário torna a tarefa de manter o equilíbrio mais difícil.

Desafios no Iraque e na Síria

Os aliados iranianos no Iraque e na Síria lançaram aproximadamente 140 ataques com foguetes e drones contra as tropas dos EUA desde o início da guerra em Gaza. Um dos incidentes mais sérios ocorreu em 20 de janeiro, com um ataque à base de Al Asad, no oeste do Iraque. Embora a maioria dos mísseis tenha sido interceptada pelas baterias de defesa aérea Patriot, alguns atingiram a base, causando ferimentos a americanos e iraquianos. Até então, os Estados Unidos haviam retaliado por meio de seus representantes locais, mas a pressão para ações mais fortes contra o Irã está crescendo, apresentando um dilema para Biden, pois qualquer medida mais enérgica poderia desencadear uma nova guerra em ano eleitoral.

Desdobramentos no Iémen e no Líbano

Simultaneamente, os Estados Unidos lançaram seu sétimo ataque contra a milícia Houthi, aliada iraniana que controla grande parte do Iémen, buscando conter o lançamento de mísseis contra navios no Estreito de Bab al-Mandab. Embora os Houthis aleguem agir em apoio aos palestinos, seus ataques são indiscriminados, e há suspeitas de envolvimento do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC).

Anúncios

No Líbano, o Hezbollah, poderoso aliado regional do Irã, expressou apoio ao Hamas e trocou tiros com as forças israelitas, mas até o momento não desencadeou uma guerra aberta contra Israel. A administração Biden tem trabalhado para dissuadir Israel de ataques preventivos, mas ameaças de ação persistem caso a diplomacia não prevaleça.

O delicado equilíbrio entre EUA e Irã

O jogo de equilíbrio entre os Estados Unidos e o Irã torna-se cada vez mais perigoso. O Irã, por meio do “eixo de resistência,” organiza ataques para enfraquecer Israel e desacreditar estados árabes que buscam a paz com Israel. Os EUA têm respondido com retaliações limitadas, evitando um confronto direto até agora. No entanto, a manutenção desse equilíbrio torna-se incerta.

Desafios para Biden e riscos de escalação

A série de eventos, incluindo ataques aéreos, assassinatos e ataques terroristas, mostra que Israel está envolvido em uma guerra não tão secreta contra o Irã e seus aliados. A administração Biden enfrenta o desafio de não ser arrastada para uma guerra no Oriente Médio, especialmente em um momento em que os EUA enfrentam outras tensões globais, como a situação na Ucrânia e as relações com a China. Biden, visando a reeleição, busca evitar qualquer escalada desnecessária.

Leia ou ouça também:  E se o Hezbollah entrar na guerra Israel-Hamas?

Percepções iranianas e dilemas de Biden

O líder Supremo do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, apelou à “paciência estratégica,” enquanto o regime iraniano busca “restaurar a dissuasão” por meio de ataques em vários países vizinhos. A administração Biden insiste que não busca uma guerra regional, lembrando o assassinato de Soleimani em 2020 e os riscos associados a ações militares.

A esperança de Biden reside na vitória de Israel em breve, reduzindo a raiva regional. No entanto, a recusa de Israel em parar sua guerra em Gaza levanta preocupações, e a contínua escalada poderia levar a uma guerra regional. Biden, enfrentando um dilema, poderia se ver pressionado a tomar medidas mais drásticas se a situação se agravar, um cenário que poderia resultar em um conflito mais amplo e imprevisível no Oriente Médio.

Anúncios

O perigoso jogo de poder e retórica

A situação entre Irã e EUA, entrelaçada com os conflitos em Gaza, Iémen, Líbano, Iraque e Síria, está longe de ser resolvida. O delicado jogo de equilíbrio, as pressões políticas e a incerteza sobre os próximos movimentos tornam o cenário extremamente volátil. O mundo observa atentamente, consciente de que qualquer erro ou escalada poderia desencadear uma crise regional de consequências imprevisíveis. Enquanto Biden busca equilibrar a diplomacia com a necessidade de proteger os interesses americanos, o futuro no Oriente Médio permanece incerto, sujeito a reviravoltas que podem moldar o curso geopolítico da região.

Última atualização da matéria foi há 5 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Anúncios
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights