Sua Página
Fullscreen

Marina Abramović: ela ainda testa os limites

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Marina Abramović, nascida em 30 de novembro de 1946, em Belgrado, na antiga Iugoslávia, é uma das artistas mais controversas e influentes da performance art contemporânea. Sua carreira, que se estende por décadas, é marcada por uma abordagem única e ousada, desafiando os limites físicos e emocionais tanto dela quanto do público. Abramović é uma pioneira da arte da performance, tendo desenvolvido um corpo impressionante de trabalho que explora questões profundas da existência humana.

A infância de Abramović foi moldada por um ambiente familiar que apreciava as artes. Seu pai era um oficial de alto escalão no Exército Popular da Iugoslávia, e sua mãe era descendente de uma linhagem de líderes da igreja ortodoxa sérvia. Desde cedo, Marina mostrou interesse pela arte, e seus pais incentivaram sua criatividade. Ela frequentou a Academia de Belas Artes de Belgrado, onde iniciou sua jornada no mundo da arte.

Nos anos 70, Abramović mudou-se para Amsterdã, onde começou a trabalhar com o artista e parceiro Ulay (Frank Uwe Laysiepen). Juntos, eles criaram performances que desafiavam noções convencionais de arte e relacionamento. Seu trabalho conjunto, frequentemente caracterizado por longas durações e intenso envolvimento emocional, os estabeleceu como um dos casais mais notáveis da cena artística contemporânea. Uma das performances mais notáveis foi a “Rest Energy” (1980), na qual Abramović e Ulay apontaram arcos e flechas carregados diretamente um para o outro, mantendo uma tensão extrema enquanto o público assistia em suspense.

No entanto, foi com a separação de Abramović e Ulay que sua obra atingiu novos patamares de exploração emocional. O término de seu relacionamento foi marcado por uma performance épica chamada “The Lovers: The Great Wall Walk” (1988). Cada um dos artistas caminhou pela Grande Muralha da China a partir de direções opostas, encontrando-se no meio para se despedirem. Essa experiência, que durou três meses, tornou-se um símbolo poderoso da conexão humana e da inevitabilidade da separação.

Abramović é conhecida por sua disposição em testar os limites do corpo e da mente em suas performances. Em sua obra “The Artist Is Present” (2010), realizada no Museu de Arte Moderna (MoMA) de Nova York, ela sentou-se em uma cadeira por mais de 700 horas, recebendo a presença de estranhos que se sentavam em frente a ela. Essa performance intensa explorou a natureza da empatia e da comunicação não verbal, proporcionando aos participantes uma experiência profundamente emocional.

Além disso, Abramović incorpora elementos espirituais e rituais em suas performances, muitas vezes explorando a relação entre o corpo e a mente. Sua obra desafia as convenções da arte tradicional, incorporando elementos de transcendência e ritualismo que a distinguem como uma figura única na cena artística contemporânea.

Contudo, sua abordagem radical também atraiu críticas e controvérsias. A performance “Rhythm 0” (1974), na qual Abramović ficou à disposição do público com 72 objetos, incluindo uma arma de fogo, provocou reações extremas. O público podia fazer o que quisesse com os objetos, e a artista permanecia passiva. A performance revelou o lado sombrio da natureza humana, com alguns visitantes chegando a ameaçar a vida de Abramović. Essa obra destacou o poder e, por vezes, a brutalidade da interação humana.

Marina Abramović, ao longo de sua carreira, tem sido uma defensora incansável da arte da performance, desafiando as fronteiras entre artista e público. Seu impacto transcende o mundo da arte contemporânea, influenciando gerações subsequentes de artistas a explorar os limites físicos, emocionais e psicológicos de sua prática.

No entanto, a polêmica que circunda suas performances serve como um lembrete de que Abramović continua a desafiar normas e expectativas, fazendo perguntas provocativas sobre a natureza da arte e da condição humana. Sua ousadia e dedicação à exploração artística redefinem constantemente o cenário da performance, solidificando seu lugar como uma das artistas mais fascinantes e ousadas do século XX e além.

Última atualização da matéria foi há 3 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content