Sua Página
Fullscreen

Senador dos EUA elege o novo “Eixo do Mal”

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

O líder da minoria no Senado dos EUA, Mitch McConnell (quem tem enfrentado paralisias públicas), está a usar uma frase poderosa para descrever a crescente parceria entre a China, a Rússia e o Irã. Por que a “parceria estratégica” entre Pequim e Teerã é uma preocupação para os Estados Unidos? Vamos analisar o que está em jogo. Washington promete defender as Filipinas da China, a Ucrânia da Rússia e Israel do Irã. Por essa razão, esse é o novo “Eixo do Mal” na palavras do velho servidor.

A parceria estratégica entre China e Irã

Nos últimos anos, as relações entre a China e o Irã têm se fortalecido, tornando-se um ponto central nas discussões geopolíticas. A crescente cooperação entre esses dois países, em áreas que incluem comércio, energia e segurança, representa uma mudança significativa no equilíbrio de poder global.

Uma das principais razões para essa parceria estratégica é o interesse comum em recursos energéticos. A China é um dos maiores consumidores de petróleo do mundo, e o Irã possui vastas reservas de petróleo e gás. O estabelecimento de acordos bilaterais para o fornecimento de energia tem sido benéfico para ambos os países.

Além disso, a China tem investido em infraestrutura no Irã, incluindo a modernização do porto de Chabahar, que é de importância estratégica para o acesso à região do Mar Arábico e do Golfo Pérsico. Isso não apenas fortalece os laços econômicos, mas também melhora a presença da China na região, desafiando indiretamente a influência dos Estados Unidos e seus aliados.

Outra dimensão crítica dessa parceria envolve questões de segurança. O Irã e a China compartilham interesses comuns em áreas como o Afeganistão e a luta contra o terrorismo. Essa cooperação inclui a venda de armas chinesas ao Irã, o que pode afetar o equilíbrio de poder na região.

A parceria entre Rússia e China

Além da parceria entre China e Irã, a Rússia também desempenha um papel significativo na dinâmica geopolítica global. A aproximação entre a Rússia e a China é um desenvolvimento notável que tem implicações importantes para a ordem mundial.

Ambos os países compartilham uma disposição para desafiar a influência dos Estados Unidos e seus aliados, e têm cooperado em questões como comércio, defesa e segurança cibernética. Essa parceria estratégica está fundamentada em interesses mútuos, especialmente na oposição a políticas que veem como intervencionistas por parte dos Estados Unidos.

A Rússia tem fornecido à China recursos naturais, tecnologia e equipamento militar, e essa cooperação fortalece a capacidade dos dois países de se oporem a iniciativas lideradas pelos EUA. Além disso, a parceria entre a Rússia e a China também abrange questões políticas, como o apoio mútuo em órgãos internacionais como o Conselho de Segurança da ONU.

O papel do Irã no Eixo

O Irã, por sua vez, tem desempenhado um papel ativo na construção dessa parceria estratégica entre China e Rússia. A busca do Irã por aliados poderosos e recursos naturais tem levado à aproximação com esses países.

O Irã e a Rússia compartilham uma relação de longa data, particularmente no que diz respeito a questões de segurança e defesa. A Rússia tem fornecido ao Irã armas e apoio técnico, fortalecendo as capacidades militares do Irã.

A cooperação entre o Irã e a China também é impulsionada por interesses econômicos, uma vez que o Irã busca mercados para seus recursos naturais e a China busca garantir um suprimento estável de energia. Além disso, ambos os países têm uma visão crítica das políticas dos Estados Unidos na região, o que os aproxima ainda mais.

Leia ou ouça também:  Realpolitik: o fim da guerra Ucrânia-Rússia

O novo “Eixo do Mal” e as preocupações dos EUA

A crescente parceria entre China, Rússia e Irã é uma preocupação significativa para os Estados Unidos e seus aliados. Essa aliança desafia a influência global dos EUA e representa uma mudança no equilíbrio de poder no cenário internacional.

Primeiramente, essa parceria estratégica mina os esforços dos Estados Unidos de conter a influência da China na Ásia-Pacífico. A promessa de Washington de defender as Filipinas da China enfrenta um desafio direto quando a China se fortalece através de sua parceria com o Irã e a Rússia. Isso pode levar a uma diminuição da influência dos EUA na região.

Além disso, a parceria entre Rússia e China coloca em xeque a capacidade dos Estados Unidos de enfrentar desafios globais, como a questão da Ucrânia. A Rússia, como um aliado da China, ganha mais margem de manobra na promoção de seus interesses na Europa Oriental, enquanto os Estados Unidos veem suas opções de resposta limitadas.

Da mesma forma, a parceria entre o Irã e a China representa um desafio às políticas dos Estados Unidos no Oriente Médio. O Irã, com o apoio da China, pode aumentar sua influência na região, o que é uma fonte de preocupação para aliados dos EUA, como Israel.

Essa crescente parceria entre China, Rússia e Irã, vista por alguns como o novo “Eixo do Mal”, também tem implicações para questões como a proliferação nuclear e o equilíbrio de poder global. A cooperação entre esses países pode dificultar os esforços para conter a disseminação de armas nucleares e outros armamentos de destruição em massa.

Para lidar com essa nova dinâmica geopolítica, os Estados Unidos precisam adaptar sua estratégia e reforçar alianças com seus parceiros tradicionais. Isso envolve o fortalecimento das relações com os aliados na região Ásia-Pacífico, bem como o apoio a esforços diplomáticos para resolver conflitos em curso, como o da Ucrânia. Além disso, é crucial manter um diálogo construtivo com a China e a Rússia, a fim de encontrar áreas de cooperação e mitigar potenciais conflitos.

A parceria estratégica entre China, Rússia e Irã representa um desafio significativo para os Estados Unidos e a ordem mundial existente. A “parceria do mal” como definiu o senador, enfraquece a influência dos EUA em várias regiões e levanta questões sobre como os Estados Unidos devem responder a essa nova realidade geopolítica. A busca de soluções eficazes exigirá diplomacia, cooperação com aliados e uma compreensão aprofundada das motivações e objetivos desses atores globais.

Última atualização da matéria foi há 4 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content