Sua Página
Fullscreen

Conceito Embedded Finance ganha força

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Uma nova tendência chamada “Embedded Finance”, ou “Finanças Embarcadas”, consiste basicamente em bancos que nascem dentro de uma empresa não financeira com objetivo de apoiar o negócio. Os projetos podem focar em diferentes elos da cadeia de valor, como em lojas do varejo, empresas de entregas, entre outros. No caso do Grupo Real, distribuidor atacadista de peças e acessórios automotivos, a ideia é atender fornecedores, clientes e seus funcionários por meio do PERbank, banco digital criado há pouco mais de um ano. “O setor de autopeças é ainda muito carente de crédito. É um mercado muito padronizado e vimos a oportunidade de nos diferenciarmos por meio dos serviços financeiros. O setor de autopeças é ainda muito carente de crédito”, explica Ricardo Eguchi, CEO e cofundador do PERbank. Atualmente, o Grupo Real tem mais de 25 mil clientes e trabalha com três frentes de serviços: de meios de pagamento (Pix e adquirência), crédito (para empresas e seus funcionários) e fidelização, com um programa de “cashback” de empresas para empresas. “Então, já tínhamos uma base sólida de informação sobre o mercado. E temos bons pagadores com a empresa que talvez não sejam tão bons com o mercado. Isso é valioso porque conseguimos dar crédito de forma mais eficiente”, acrescenta o executivo e grande especialista no assunto.

Ricardo, para quem desconhece o termo, poderia falar o que é o Embedded Finance?

Gostaria de começar com a tradução do termo Embedded Finance como Serviços Financeiros Incorporados, que nada mais é que poder prover soluções financeiras ao portfólio de empresas. Foi assim que o PERbank tem ajuda o Grupo Real para disponibilizar serviços financeiros personalizados e muito mais direcionados para as necessidades dos seus clientes.

Por que você acredita que muitos consideram essa tecnologia como um fenômeno?

Essa tecnologia tem auxiliado na revolução e transformação do mercado financeiro, as fintechs têm surgido pensando muito mais na experiência do cliente e com soluções inovadoras e personalizadas. Os bancos tradicionais não conseguem ter essa agilidade em função do tamanho e pasteurização dos seus processos.

Quais os grandes diferenciais dessa tecnologia?

O principal diferencial dessa tecnologia é a integração via API (Application Programming Interface), através delas a possibilidade de poder utilizar as estruturas bancárias o chamado Banking As A Service em um formato mais colaborativo, assim há um ganho de escala e velocidade na criação de serviços financeiros integrados e sendo desenvolvidos via terceiros/parceiros.

O futuro das finanças é ter tudo conectado?

Sem dúvida, estamos num processo de transformação deste segmento se pararmos para pensar que há 2 anos não existia o Pix e hoje já são mais de 70 milhões de transações dia. Aprendemos rápido a ter isso integrado em nosso cotidiano, assim como os aplicativos em nossos celulares. No PERbank acreditamos que pessoas e empresas busquem uma maneira integrada, conectada, simples e segura de ver suas finanças e de uma forma proativa.

Como se encontra essa tecnologia em outras partes do mundo?

Este é um movimento global, uma recente pesquisa da Juniper Research mostrou que o mercado de Embedded Finance excederá os US$138 bilhões até 2026, sendo que 2021 foi de US$43 bilhões.

Leia ou ouça também:  Startups focam esforços em cibersegurança

Negócios podem ser alavancados com o Embedded Finance?

Os negócios já estão sendo alavancados, por exemplo, o PERbank até o momento já viabilizou para os clientes e parceiros do Grupo Real mais de R$200mi em crédito, isso pode ser traduzido em melhores possibilidade de parcerias com seus clientes, através de maior poder de compra é um programa de fidelização com o cashback.

A relação entre empresas e consumidores ficará mais assertiva?

Talvez o termo não seja mais assertivo, mas talvez colaborativo e uma relação de ganha-ganha, através de serviços diferenciados. O PERbank já é um banco 100% digital e queremos ter essa entrega de valor para os nossos clientes com soluções financeiras na palma da sua mão.

De certo modo, setores como o de automóveis já faziam isso quando ofereciam seguros com a venda dos carros. Existem diferenças dessa prática com o que é de fato o Embedded Finance?

Posso dizer que é isso “turbinado”, pois, no passado para oferecer esse tipo de soluções somente sendo um banco tradicional e burocrático, hoje com essa tecnologia além de mais prático e ágil, temos a possibilidade de entregar mais soluções personalizadas para nossos clientes. Que podem ser seguros, meios de pagamento como as maquinhas, ofertas de crédito personalizadas e até um programa de fidelização para seus clientes.

O setor de varejo deve ser o grande beneficiado com essa tecnologia?

O setor de varejo é o que sente mais rápido essa transformação, pois, está na ponta e sente esses benefícios mais rápidos, porém, essa tecnologia vai além e pode agregar valor na relação comercial no B2B. O Open Finance veio para transformar também a maneira de visualizar riscos dos clientes e, ao mesmo tempo, poder oferecer mais crédito, já que os próximos anos serão de muitas mudanças.

Quais oportunidades serão trazidas com o Embedded Finance?

Através desta tecnologia foi possível a criação das fintechs e a possibilidade de ofertas de serviços mais personalizados, além de trazer novas soluções ao mercado associados à mudança do Banco Central com o Pix e o Open Finance.

Última atualização da matéria foi há 2 anos


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights