Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Lui: a aposta certeira do editor Daniel Filipacchi

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Lui (francês: [lɥi]; lit. ‘Ele’) é uma revista francesa de entretenimento adulto criada em novembro de 1963 por Daniel Filipacchi, um fotógrafo de moda transformado em editor, Jacques Lanzmann, um faz-tudo transformado em romancista, e Frank Ténot, um agente de imprensa, patafísico e crítico de jazz.

O objetivo era trazer um pouco de charme “à la française” para o mercado de revistas masculinas, seguindo o sucesso da Playboy nos Estados Unidos, lançada apenas uma década antes.

A França, de fato, na primeira metade do século XX, tinha uma reputação notável por publicações eróticas, alimentando também o mercado estrangeiro e inspirando também revistas de sabor francês imitadoras no exterior, quando, por exemplo, editores americanos usavam títulos com sonoridade francesa como Chère e Dreamé ou colocavam bandeiras tricolores nas capas, tentando atrair o comprador casual. De qualquer forma, era um material circulante semi-clandestino, não permitido de ser exibido livremente ou comprado abertamente. Nesse sentido, a Playboy mudou a maneira como a “pornografia suave” (tornada mais respeitosamente “entretenimento adulto”) pode ser circulada publicamente.

Anúncios

Esta revista foi particularmente bem-sucedida desde seus primórdios até o início dos anos 80, mas depois disso começou um longo declínio. Foi publicada regularmente até novembro de 1987 (o número final desta primeira série foi o número 285). Depois de 1987, houve uma tentativa adicional de relançar o título, mas a publicação cessou novamente em 1994. Passado para as mãos do grupo de mídia de Michel Birnbaum, após um estímulo transitório, tornou-se uma revista pornográfica com disseminação episódica. Era publicado a cada três meses.

Após a compra do título por Jean-Yves Le Fur, Lui foi relançado em 5 de setembro de 2013 como uma revista de alta qualidade com Frédéric Beigbeder à frente.

A receita bem-sucedida desta revista combinava conteúdo com artigos aprofundados e mulheres nuas lindas, apresentando muitas celebridades de B-list, mas também atrizes francesas proeminentes, como Brigitte Bardot, Mireille Darc, Jane Birkin ou Marlène Jobert.

Apresentava uma pin-up mensal por Aslan. A primeira garota a posar na capa foi Valérie Lagrange (o número 1 apareceu em 11 de janeiro de 1963) fotografada por Francis Giacobetti, futuro diretor do filme de softcore Emmanuelle 2.

A revista também hospedava um desenho animado de Lauzier: Les Sextraordinaires Aventures de Zizi et Peter Panpan. Entre os primeiros colaboradores estão Jean-Louis Bory, René Chateau, Philippe Labro, Francis Dumoulin, Francis Giacobetti e Siné.

Anúncios

Com um acervo tão rico em sua história, não é difícil entender por que Lui é uma aposta certeira de Daniel Filipacchi. Desde sua criação, o objetivo sempre foi trazer um charme “à la française” ao mercado de revistas masculinas, inspirado pelo sucesso do Playboy nos Estados Unidos. Com conteúdo de profundidade e belas mulheres nuas, Lui sempre foi capaz de atrair um público diverso, incluindo celebridades francesas e até mesmo modelos internacionais de renome, como a icônica Gisele Bündchen.

Leia ou ouça também:  Robert Miller: crimes sexuais e criônica à vista

A carreira de Gisele Bündchen é uma história de sucesso na moda e entretenimento. Ela é uma das modelos mais bem-sucedidas de todos os tempos, e foi apresentada em várias edições da revista Lui. Em uma das capas, ela aparece nua, com o cabelo molhado e um olhar sedutor. A imagem é icônica e captura a essência da revista, combinando beleza e sensualidade com um toque de sofisticação.

A presença de Gisele Bündchen na revista Lui não é surpreendente, considerando seu status de supermodelo internacional e sua conexão com a França. Bündchen foi casada com o jogador de futebol americano Tom Brady, que jogou pelo New England Patriots por muitos anos e teve uma relação próxima com o treinador Bill Belichick. Belichick, por sua vez, é amigo próximo do lendário treinador francês de futebol, Arsène Wenger, e passou um tempo na França durante sua carreira. A conexão de Bündchen com a França também se estende à moda, já que ela desfilou para algumas das marcas mais icônicas do país, como Chanel e Balenciaga.

Com uma história tão rica e uma presença de destaque na cultura pop, é fácil ver por que Lui continua sendo uma aposta certeira de Daniel Filipacchi. A revista tem uma longa história de sucesso, combinando beleza, sensualidade e profundidade em um único pacote. E com celebridades internacionais como Gisele Bündchen aparecendo em suas páginas, não é difícil ver por que Lui continua sendo uma das revistas masculinas mais influentes do mundo.

Última atualização da matéria foi há 1 ano


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights