Sua Página
Fullscreen

Os itens de materiais escolares mais tributados

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

A Sovos, uma multinacional especializada em soluções tecnológicas para o compliance fiscal, realizou um levantamento que destaca a significativa carga tributária incidente sobre os principais itens escolares no Brasil. Essa pesquisa revela que a tributação pode representar até 50% do preço final desses produtos essenciais para a educação. Neste artigo, exploraremos os resultados dessa análise, destacando os materiais mais tributados e discutindo o impacto dessa carga fiscal na sociedade.

Os campeões da tributação: canetas e réguas lideram o ranking

O estudo, baseado nas informações do Impostômetro, identificou que dois dos materiais escolares mais essenciais, canetas e réguas, enfrentam uma tributação alarmante. A caneta, por exemplo, é impactada por uma carga tributária que representa surpreendentes 49,9% de seu valor final. Logo em seguida, a régua não fica muito atrás, com uma tributação correspondente a 44,6% de seu preço de mercado. Esses números revelam um cenário desafiador para os consumidores e evidenciam a necessidade de repensar a tributação sobre itens tão fundamentais para a educação.

Itens compartilhando o pódio da tributação: borracha, apontador e agenda

A análise da Sovos destaca que outros itens básicos, como borracha, apontador e agenda, seguem de perto na lista de materiais escolares mais tributados. Com uma carga tributária de 43,1%, esses itens essenciais contribuem significativamente para o peso dos impostos que os consumidores precisam suportar ao adquiri-los. Esse cenário levanta questões sobre a equidade na tributação de produtos que têm um impacto direto no acesso à educação.

Refletindo sobre a alta tributação: educação não é prioridade tributária no Brasil?

Giuliano Gioia, advogado tributarista e Tax Director da Sovos Brasil, destaca a preocupante observação de que a alta carga tributária sobre materiais escolares evidencia que, do ponto de vista tributário, a educação não é considerada essencial no Brasil. Ele aponta para o princípio da seletividade tributária, que deveria diferenciar a tributação entre itens essenciais e supérfluos. A comparação com produtos como bijuterias, refrigerantes e enfeites natalinos, que apresentam índices similares de tributação, ressalta a necessidade de reavaliação dessa abordagem.

Dicas cruciais para economizar na compra de materiais escolares

Diante desse panorama desafiador, Giuliano Gioia oferece dicas valiosas para os consumidores economizarem na compra de materiais escolares. Ele destaca a importância da pesquisa de preços, enfatizando que o preço de um produto é composto pela soma de custos, margens e tributos. Sugerindo a reutilização de materiais do ano anterior sempre que possível, Gioia ressalta a necessidade de explorar tanto lojas físicas quanto digitais, já que as diferenças de precificação podem ser significativas. Essas estratégias, segundo o especialista, podem ser cruciais para aliviar os gastos no período de volta às aulas.

Em síntese, a pesquisa da Sovos coloca em destaque não apenas os materiais escolares mais tributados, mas também levanta questões cruciais sobre a abordagem tributária em relação à educação no Brasil. A alta carga tributária revela um desafio significativo para as famílias que buscam fornecer o melhor para seus filhos no ambiente educacional. Ao refletir sobre esses dados, é imperativo considerar políticas e mudanças que busquem equilibrar a tributação, garantindo que a educação seja verdadeiramente tratada como uma prioridade essencial para o desenvolvimento do país.

Última atualização da matéria foi há 1 mês


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content