Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Final de ano agrava os sintomas da ansiedade

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

A ansiedade é uma condição que afeta uma parcela significativa da população. Dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), apresentados pelo Conselho Nacional de Saúde, apontam que o Brasil é o país com o maior número de pessoas ansiosas, com 9,3% da população.

De acordo com o Manual MSD, a ansiedade representa uma sensação de nervosismo, preocupação ou desconforto, sendo uma experiência considerada normal no contexto humano. Essa condição se manifesta em uma ampla variedade de transtornos psiquiátricos, abrangendo desde o transtorno de ansiedade generalizada até a síndrome do pânico e fobias. Apesar das distintas características dessas enfermidades, todas compartilham a presença de angústia e disfunção intimamente ligadas à ansiedade e ao medo.

Os sintomas da ansiedade podem variar amplamente de pessoa para pessoa, tornando-a uma condição complexa de se entender. No entanto, conforme Drauzio Varella, alguns sintomas mais comuns incluem:

Anúncios

Inquietação; Fadiga; Irritabilidade; Dificuldade de concentração; Tensão muscular; Palpitações; Falta de ar; Taquicardia; Aumento da pressão arterial; Sudorese excessiva; Dor de cabeça; Alteração nos hábitos intestinais; Náuseas; Aperto no peito; Dores musculares.

O poder do final de ano de intensificar a ansiedade

A ansiedade se agrava ainda mais no final de ano e isso não é por acaso. Segundo uma pesquisa da Isma-Brasil (International Stress Management Association – Brasil), o nível de estresse do brasileiro sobe, em média, 75% próximo a épocas festivas. Para a Psicóloga Daniela Pelisson, terapeuta cognitivo comportamental com formação em transtorno de ansiedade pelo Hospital Albert Einstein, esse fator pode relacionar-se ao fato da cultura brasileira, em muitos aspectos, romantizar a ideia de que o final do ano deve ser um período mágico e associar o encerramento de ciclos a uma necessidade de vitória.

Daniela relata que nessa época os sentimentos de alegria e celebração se misturam com um conjunto de cobranças sobre o ano que se passou e sobre as expectativas sobre o ano que virá e que essa combinação de festividades e expectativas pode acentuar a ansiedade em algumas pessoas e aumentar os casos de estresse e depressão. A narrativa do final de ano e as comparações com as celebrações idealizadas vistas na mídia social podem levar à sensação de insuficiência, reforçando a Síndrome do Final de Ano, caracterizada pela pressão significativa de recriar as festas retratadas em filmes e comerciais e atender às demandas sociais e familiares que se transformam em expectativas inatingíveis e não passam, segundo a terapeuta, de um fardo emocional.

Diante desse cenário, a psicóloga sugere alguns fatores que motivam essas emoções, baseando-se nas demandas inexistentes em outros meses do ano, como:

Anúncios

Cobrança por presentes e falta de dinheiro; Obrigatoriedade de confraternizar com familiares por pressão afetiva; Saudade de pessoas que já faleceram; Necessidade de felicidade e gratidão; Expectativas de janeiro comparadas à realidade de dezembro; Comparações e culpa por coisas não realizadas.

Como lidar com a Síndrome do Final de Ano

Daniela explica que é fundamental reconhecer que a realidade raramente coincide com as imagens idealizadas e que aceitar que os momentos imperfeitos também têm seu valor e que muitas coisas não dependem apenas do indivíduo são os primeiros passos. Assim como o hábito de ressaltar seus aspectos positivos, vitórias e acontecimentos ao longo do ano que foram bons, para aumentar a autoestima e despertar a sensação de contentamento e bem-estar.

Leia ou ouça também:  Erros médicos causam internações na UTI

“As expectativas da família, com relação aos planos que deram certo ou não ao longo do ano, são apenas deles e isso não deve gerar mais frustração, culpa ou sensação de fracasso.”, comenta Daniela.

A melhor forma de lidar com isso, segundo recomendação dada pela profissional, é avaliar o impacto na saúde mental ao participar de uma confraternização. Isso inclui trabalhar antes, seja para ignorar ou para não considerar as situações com a importância suficiente para estragar a comemoração.

“Lidar com a ansiedade durante as festas de final de ano exige um conjunto de estratégias que funcionam para cada indivíduo. Não há uma abordagem única, nem uma receita milagrosa, é importante adaptar essas dicas às necessidades pessoais”, diz a psicóloga.

Anúncios

Os níveis de ansiedade

É complexo determinar o momento em que a ansiedade atinge um nível grave o bastante para ser classificada como um transtorno. A capacidade individual de tolerar a ansiedade é variável, tornando desafiador definir o que deve ser identificado como um grau anormal de ansiedade, de acordo com o Manual MSD.

No entanto, quando a ansiedade se torna uma presença constante e impacta negativamente o bem-estar e a qualidade de vida, para a terapeuta, é crucial buscar auxílio especializado de um profissional cadastrado no Conselho Federal de Psicologia. Através de terapias e tratamentos adequados, é possível encontrar alívio e retomar o controle da vida. Para aqueles que estão incertos sobre a gravidade de sua ansiedade, Daniela sugere, ainda, os testes de nivelamento de ansiedade, como o da Escala de Ansiedade Generalizada-7 (GAD-7), que podem oferecer uma primeira abordagem ao avaliar o nível de ansiedade e podem orientar a decisão de buscar ajuda de um profissional da área, já que não substituem o diagnóstico.

Última atualização da matéria foi há 8 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights