Sua Página
Fullscreen

Scott Burke: câncer terminal e pornô em iate

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

O mundo é frequentemente palco de histórias que misturam elementos inusitados e intrigantes. Uma dessas histórias recentes que surpreendeu muitos foi a prisão de Scott Burke, proprietário de um iate de 80 pés chamado Jess Conn, no porto de Nantucket. O motivo por trás dessa operação policial envolveu a posse de drogas, armas e uma série de circunstâncias misteriosas que envolviam uma mulher em perigo.

O site americano Current teve acesso ao pedido do Departamento de Polícia de Nantucket para o mandado de busca que resultou na operação no Jess Conn. O documento revelou uma narrativa intrigante de como as autoridades de segurança pública foram alertadas sobre uma possível situação crítica a bordo do navio nos dias que antecederam a operação. A história começa com um amigo da mulher que estava no iate, um amigo preocupado que desencadeou toda a série de eventos.

Esse amigo relatou à polícia que havia estado em contato constante com a mulher a bordo durante toda a noite. A ligação que recebeu foi perturbadora – a mulher queria desembarcar do iate, mas, de repente, desmaiou, interrompendo abruptamente a ligação. O amigo, preocupado com o que havia acontecido, tomou uma atitude imediata e fez o que parecia ser o certo: alertou as autoridades sobre a situação a bordo do Jess Conn.

O que ele revelou às autoridades, no entanto, foi mais do que uma simples preocupação com a saúde da mulher. Ele alegou que a mulher havia lhe confidenciado que drogas estavam sendo usadas de forma excessiva durante o fim de semana e que, chocantemente, filmes pornográficos estavam sendo produzidos a bordo do iate. As drogas que supostamente estavam envolvidas incluíam cetamina, Adderall, ecstasy e cocaína. Esse testemunho lançou uma sombra ainda mais densa sobre os acontecimentos no Jess Conn.

No entanto, o advogado de Scott Burke, Hank Brennan, prontamente contestou as alegações feitas pelo amigo da mulher. Ele argumentou que o amigo era um ex-namorado amargurado e que suas motivações eram questionáveis. Brennan afirmou que as declarações eram inconsistentes e que deveriam ser vistas com ceticismo.

A mulher, por sua vez, expressou um profundo temor e falta de segurança a bordo do iate. Ela disse à polícia que não se sentia à vontade e tinha medo de permanecer na embarcação, adicionando um elemento de mistério e tensão ao caso.

Muitos detalhes contidos no mandado de busca já haviam sido divulgados anteriormente, incluindo a localização da mulher em um quarto, a visível presença de armas e drogas e o transporte imediato da mulher para o Hospital Nantucket Cottage para receber tratamento adicional.

A polícia também relatou que, quando tentou iniciar uma conversa com Scott Burke, ele foi “extremamente pouco cooperativo”. Esse comportamento e sua falta de cooperação resultaram na sua prisão e algemamento.

Burke afirmou à polícia que a mulher que havia sofrido uma overdose era uma funcionária sua, que havia sido contratada apenas três ou quatro semanas antes do incidente. Ele também afirmou que outra amiga estava hospedada no iate durante o mesmo período. Curiosamente, as identidades dessas mulheres foram listadas no mandado de busca, mas por razões éticas e legais, o Current optou por não publicar seus nomes.

Scott Burke negou veementemente qualquer conhecimento de narcóticos ilegais a bordo do iate, incluindo aqueles encontrados em um dos quartos. As duas mulheres também foram questionadas pela polícia sobre as drogas encontradas a bordo e negaram ter conhecimento de qualquer coisa, com uma delas alegando que tinha receita médica para o Adderall.

Além das drogas e armas, a polícia também apreendeu diversos dispositivos eletrônicos durante a operação. Um laptop Dell, um celular Motorola e dois iPads da Apple foram confiscados e serão submetidos a um exame forense por autoridades policiais. Esses dispositivos podem revelar informações adicionais sobre os eventos que ocorreram no Jess Conn.

Após receber tratamento médico, a mulher retirada do iate falou com a polícia e confirmou que havia feito uma chamada de vídeo para seu ex-namorado naquela noite. Mais tarde, ela confirmou que havia conversado com o amigo que chamou a polícia. Esse detalhe pode fornecer mais informações sobre as circunstâncias que levaram à intervenção policial.

Os investigadores, incluindo um agente especial da DEA, abordaram e revistaram o Jess Conn às 15h25 do dia 5 de setembro, conforme documentos judiciais obtidos pelo Current. Durante a operação, foram apreendidos 43,4 gramas de cocaína, 14,1 gramas de cetamina e duas pistolas – uma Smith Wesson Shield .380 e uma Smith & Wesson 9mm – com várias munições.

Após a abordagem inicial e a busca no iate na manhã de terça-feira, Burke informou à polícia que era o proprietário do barco que as pistolas apreendidas eram de sua propriedade. Ele também alegou que tinha licença para portar armas de fogo. No entanto, a polícia descobriu que a licença de Burke para portar armas na Flórida havia expirado em setembro de 2022.

O juiz James Sullivan estabeleceu a fiança de Burke em US$200 mil após uma audiência sobre periculosidade.

Brennan usou a audiência para argumentar que Burke havia organizado uma festa no iate no porto de Nantucket, que contou com a presença de mais de uma dúzia de convidados. Ele explicou que Burke estava esperando o retorno do capitão do navio, que estava ausente para um casamento no dia em que ocorreu a operação policial. Segundo Brennan, a mulher que precisava de atenção médica pediu a Burke que ficasse mais alguns dias a bordo do iate, e ele concordou. No entanto, todos os outros convidados haviam deixado o barco, exceto a mulher em questão.

Scott Burke é um médico aposentado que já atuou no Colorado e fundou a Denver Spine and Rehab. Atualmente, ele é o CEO da Injury Finance, LLC, uma empresa que oferece serviços de garantia médica para reivindicações de responsabilidade civil de terceiros. O médico/empresário envolvido nesta confusão, alega estar com câncer em estado terminal.

Esse caso intrigante continua a atrair a atenção da mídia e do público, com muitas perguntas ainda sem resposta. À medida que mais detalhes emergem e a investigação prossegue, a história de Scott Burke e o que realmente aconteceu a bordo do Jess Conn permanecem envoltos em mistério.

Última atualização da matéria foi há 7 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights