Sejunta trabalha para ser um transformador digital

Guilherme Camargo

A adaptação ao ensino digital fez com que, em 2021, dispositivos portáteis, aplicativos e computadores conquistassem, ainda mais, o ambiente escolar. No Brasil, a acelerada transformação digital se tornou uma das consequências da pandemia de Covid-19, mas em paralelo a esse processo, um novo desafio: como capacitar, preparar escolas e profissionais para o novo modelo de ensino? Adotar um projeto que esteja pronto para o lado pedagógico e de toda a gestão, demanda uma visão integrada e o entendimento de que, para que aconteça, na prática, o processo é gradual.

Com atendimento em 131 instituições, a Sejunta traz tecnologia, por meio de equipamentos que promovem uma transformação digital no ambiente escolar, além da capacitação de professores e oferece apoio desde o planejamento inicial até o reconhecimento como uma escola distinta.

“As escolas mais modernas do mundo contam, não apenas com recursos tecnológicos de ponta, mas também, com agendas de desenvolvimento profissional que apoiem o educador a integrar as tecnologias nas salas de aula”, explica o CEO da Sejunta, Guilherme Camargo.

Transformação do ensino com auxílio da tecnologia

A startup oferece uma agenda de desenvolvimento profissional, um portal de orientações individuais para educadores, o suporte técnico necessário para preparar os dispositivos nas diferentes mudanças de contexto e, também, uma gestão do projeto que apoia as lideranças das escolas, e ajuda a identificar os retornos provenientes do investimento em tecnologias na educação.

A estrutura conta com tecnologias como o iPad e o Mac, que apoiam os educadores no desenvolvimento da criatividade, do pensamento computacional e fomentam a colaboração e o protagonismo dos alunos. Essas mudanças acontecem por meio de estratégias de uso e aplicação de tecnologias na educação.

Há, ainda, uma escala da segurança que os sistemas promovem, por exemplo, a garantia que os dispositivos estão 100% do tempo de acordo com as regras e com as intenções de uso educacional.

Esse direcionamento acontece pelo alinhamento de indicadores e um trabalho de desenvolvimento das lideranças, que permitem com que o desenho do projeto seja seguido, acompanhado e medido.

O impacto do uso dessas tecnologias em sala de aula é medido pelo engajamento, colaboração e protagonismo dos estudantes, que têm as habilidades potencializadas por meio da orientação de educadores bem treinados e preparados.

“Boa parte dos estudantes já conhecem o básico das tecnologias móveis e, por isso, acreditamos que o essencial para que o projeto se torne efetivo, é direcionar o uso dessas ferramentas e potencializar o aprendizado dos professores e alunos”, acrescenta Guilherme.

Investimento e capacitação

A startup afirma que uma escola pode começar um projeto com todos os educadores, com um investimento mensal próximo a R$2.400,00 por mês.

Com esse valor, é possível oferecer um dispositivo para cada um e começar a promover mudanças nos processos de ensino e aprendizagem.

“Cada projeto é único. Há um desenho muito específico para as demandas de cada escola. Por isso, os investimentos podem variar de escola para escola e terem objetivos e indicadores de sucesso diferentes”, comenta o CEO.

Os dispositivos oferecidos pela Sejunta, em especial o iPad, funcionam em ambientes educacionais, ou seja, em ambientes sem conexão com a internet ou com conexão ao wifi.

O processo de implementação das tecnologias para educação passa por recursos como o Apple School Manager (plataforma de gestão e inventário de dispositivos Apple), pelo MDM (Plataforma de gerenciamento remoto de dispositivos móveis), e pelo gerenciamento do projeto, desenvolvimento profissional e suporte de TI promovidos pela Sejunta.

Para a capacitação, os educadores devem passar pelos primeiros passos de uso dos dispositivos, entender como utilizar as ferramentas e, com apoio da Sejunta, implementar diferentes estratégias de ensino e aprendizagem.

Além disso, com os conhecimentos básicos da ferramenta, os educadores podem, junto com a Sejunta, ser reconhecidos como Apple Teacher.

“Após o reconhecimento, é realizado um trabalho de integração do recurso tecnológico com as práticas em sala de aula, com as metodologias ativas e com os aplicativos e recursos disponíveis dentro do ambiente”, finaliza Camargo.

Sobre a Sejunta:

Apaixonados pela transformação digital e oportunidades que a tecnologia pode trazer para instituições educacionais.

A Sejunta foi criada para transformar escolas com metodologias integradas com tecnologias Apple para educação.

*Com participação da jornalista Talita A. Scotto.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content