Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Bruno Tolentino: ácido até o último suspiro

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Bruno Lúcio de Carvalho Tolentino Sobrinho, nascido em 1940 no Rio de Janeiro, teve sua vida permeada desde cedo por figuras literárias ilustres, como a crítica teatral Bárbara Heliodora e o renomado crítico literário Antonio Candido, primo do poeta. A convivência com escritores próximos à família, como Cecília Meireles, moldou seu ambiente inicial, influenciando seu futuro como poeta e intelectual. A biografia de Tolentino, porém, é marcada por desafios na reconstrução de eventos, já que muitos detalhes foram modificados pelo próprio autor.

O início literário e a mudança para Europa

Em 1963, Tolentino lançou seu primeiro livro, “Anulação e outros reparos”, que incluía o notório poema “Ao Divino Assassino”. Esse poema, em terça-rima, expressava a revolta do poeta contra Deus, especialmente durante a morte de sua ex-namorada Anecy Rocha. Com o golpe militar de 1964, Tolentino partiu para a Europa a convite do poeta Giuseppe Ungaretti, onde passou trinta anos de sua vida, principalmente na França e na Inglaterra.

Do cárcere à retornando ao Brasil: uma jornada conturbada

O ano de 1987 marcou um episódio turbulento na vida de Tolentino. Preso no aeroporto de Heathrow, em Londres, por porte de cocaína, ele foi condenado a onze anos de prisão. Durante esse período, Tolentino não apenas cumpriu sua pena, mas também organizou aulas de alfabetização e literatura para seus colegas de prisão, chamadas de “Seminars of Drama and Literature”. Essa experiência, que ele afirmou ter adorado, influenciou sua visão crítica sobre a sociedade brasileira.

Anúncios

Em 1993, Tolentino retornou ao Brasil, lançando o livro “As Horas de Katharina”, que conquistou o Prêmio Jabuti de melhor livro de poesia em 1994. Nos anos seguintes, publicou obras como “Os Sapos de Ontem” (1995), “Os Deuses de Hoje” (1995) e “A Balada do Cárcere” (1996). Sua postura crítica sobre a educação, o concretismo e a música como forma de poesia foi evidenciada em uma polêmica entrevista à revista Veja em 1996.

O reconhecimento tardio e o legado duradouro

Entre 2000 e 2002, Tolentino viveu no Santuário Estadual de Nossa Senhora da Piedade, em Caeté, Minas Gerais, contribuindo com o Movimento Eclesial de Comunhão e Libertação. Nesse período, concluiu a revisão de suas obras magnum, “O Mundo Como Ideia” e “A Imitação do Amanhecer”, publicadas em 2002 e 2006, respectivamente. Ambas renderam a Tolentino o Prêmio Jabuti, consolidando-o como um dos poucos escritores a conquistar o prêmio em três edições diferentes.

Leia ou ouça também:  Like a Prayer: quando Madonna era perigosa...

Bissexual libertino, Tolentino não hesitou em abordar temas LGBT em sua última obra, “A Imitação do Amanhecer”, considerada uma das mais ambiciosas e consistentes obras com essa temática no cenário literário brasileiro. O reconhecimento também veio na forma do Prêmio Senador José Ermírio de Morais, concedido pela Academia Brasileira de Letras, um feito inédito para um escritor.

O fim de uma era: morte e legado

Tolentino, portador de AIDS e sobrevivente de um câncer, passou seu último mês na UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, em São Paulo. Aos 66 anos, em 27 de junho de 2007, o poeta faleceu devido a falência múltipla de órgãos. Sua obra foi crucial para a poesia brasileira, reintroduzindo uma abordagem filosófica e classicamente lírica no cenário literário nacional. Bruno Tolentino permanece uma figura controversa e fundamental na história da literatura brasileira, ácido até o último suspiro.

Última atualização da matéria foi há 5 meses

Anúncios

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Anúncios
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights