Sua Página
Fullscreen

Futilidade Rentável: 30 anos da revista Caras

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

A revista Caras, ícone da imprensa rosa argentina e brasileira, tem construído sua trajetória desde o seu lançamento em 1993. Sob a liderança de Edgardo Martolio, a revista tornou-se uma voz proeminente na cobertura de celebridades e estilo de vida, cativando leitores ávidos por insights exclusivos no mundo glamoroso das personalidades.

A Editora Caras, comandada por Jorge Fontevecchia, desempenhou um papel estratégico ao adquirir, em julho de 2014, um portfólio diversificado de revistas, consolidando assim sua influência no cenário editorial. A compra incluiu títulos variados, desde Aventuras na História e Máxima até Recreio e Vida Simples, expandindo o alcance e a diversidade da Caras.

No entanto, o jogo de xadrez no mundo editorial trouxe reviravoltas. Em 2015, a Editora Caras adquiriu diversas revistas da renomada Editora Abril, apenas para ver algumas delas sendo readquiridas pela Abril em 2016. Essa dinâmica complexa ilustra os desafios enfrentados no universo da mídia, onde alianças e movimentos estratégicos são constantes.

O ano de 2018 marcou uma transformação significativa para a Editora Caras, que se tornou uma subsidiária integral do Grupo Editorial Perfil. Essa mudança não apenas solidificou sua posição no mercado editorial latino-americano, mas também a inseriu no Grupo Perfil Brasil, um conglomerado de marcas influentes.

A manchete “Futilidade Rentável: 30 anos da revista Caras” destaca o paradoxo enfrentado pela revista. Ao abordar temas muitas vezes considerados fúteis, como fofocas e vida de celebridades, a Caras viu seu sucesso financeiro crescer exponencialmente. Essa dualidade gera debates sobre a natureza do entretenimento moderno e as demandas do público.

Paralelos com outras revistas do nicho:

Assim como a revista People nos Estados Unidos, a Caras se destaca como uma voz proeminente na cobertura de celebridades e estilo de vida na Argentina e no Brasil;

Semelhante à Hello! no Reino Unido, a Caras também cativa leitores com insights exclusivos no mundo glamoroso das personalidades;

Como a Vanity Fair, a Caras enfrenta o desafio de equilibrar a abordagem de temas considerados fúteis, como fofocas de celebridades, com um notícias mais sisudas;

Assim como a Gala na França, a Caras expandiu seu alcance e diversidade ao adquirir um portfólio diversificado de revistas sob a liderança da Editora Caras;

Como muitas revistas do nicho, incluindo OK!, a Caras está inserida em um cenário editorial dinâmico, com movimentos estratégicos e desafios constantes no mundo da mídia;

A trajetória da revista Caras no mundo do entretenimento nas últimas três décadas é um fascinante mergulho nas complexidades da imprensa de celebridades. Ao longo dos anos, a revista consolidou sua posição como um ícone na imprensa rosa argentina e brasileira, enfrentando desafios, fazendo aquisições estratégicas e moldando sua narrativa em um universo onde futilidade se tornou surpreendentemente rentável.

Assim como suas contrapartes internacionais People, Hello!, Vanity Fair, OK! e Gala, a Caras desempenhou um papel central na cobertura de celebridades e estilo de vida. O paradoxo de abordar temas considerados fúteis enquanto alcança sucesso financeiro destaca a complexa interação entre os gostos do público e as demandas da indústria do entretenimento.

Enquanto a linha entre privacidade e interesse público permanece tênue, a Caras continua a ser uma força influente, refletindo e influenciando a cultura de celebridades. Sua jornada, marcada por reviravoltas editoriais, consolidações e transformações, é um microcosmo das intrigas que permeiam o mundo dinâmico e cativante da imprensa de entretenimento. A revista Caras, assim como suas contrapartes globais, permanece no centro de um diálogo em constante evolução sobre a natureza do entretenimento contemporâneo e seu papel na sociedade.

Última atualização da matéria foi há 3 meses


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content