Sua Página
Fullscreen

Big Boy: as lembranças de um ícone da mídia

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Big Boy, pseudônimo de Newton Alvarenga Duarte, foi muito mais do que um simples disc jockey. Sua presença no cenário radiofônico brasileiro foi marcada por uma revolução tanto no estilo de apresentação quanto na programação musical. Neste texto, exploraremos a vida e legado desse ícone do rádio, desde sua paixão pela música até suas inovações no meio, culminando em seu impacto duradouro mesmo após sua partida.

Juventude e paixão pela música

Nascido em 1º de junho de 1943, no Rio de Janeiro, Big Boy desde cedo demonstrou uma paixão avassaladora pela música. Ainda na adolescência, iniciou uma coleção de discos de música pop, que eventualmente cresceu para impressionantes vinte mil unidades. Seu gosto musical era marcado pelo fervor do rock and roll, um ritmo que conquistava os jovens em todo o mundo.

O início de uma carreira promissora

Sua jornada profissional iniciou quando começou a frequentar a Rádio Tamoio, ávido por manter-se atualizado e em contato com outros entusiastas do rock. Foi lá que as portas se abriram, e Big Boy teve a oportunidade de substituir um programador de férias. Mais tarde, sua passagem pela Rádio Mundial marcaria um ponto crucial em sua carreira, contribuindo significativamente para transformar a estação na mais ouvida pelo público jovem do Rio de Janeiro.

O estilo inconfundível

O que tornava Big Boy único não era apenas sua seleção musical, mas também sua forma de se comunicar. Sua linguagem jovial, próxima do público, e o famoso cumprimento “hello crazy people!” tornou-se sua marca registrada. Sua voz descontraída contrastava com a entonação mais formal dos locutores da época, criando uma conexão genuína com seus ouvintes.

Multimídia e inovação

Big Boy não se limitava ao rádio. Sua atuação era diversificada, estendendo-se à televisão, jornais e revistas. Além de seus programas diários na Rádio Mundial e na Rádio Excelsior de São Paulo, ele apresentava o Papo Pop na TV Record, onde lançou diversos grupos brasileiros de rock. Sua presença na TV Globo, especialmente no Jornal Hoje, trouxe inovações ao apresentar videoclipes das músicas de sucesso da época.

A discoteca de um colecionador

Ao longo de sua vida, Big Boy expandiu sua coleção de discos, buscando raridades em suas viagens ao redor do mundo. Sua discoteca pessoal, composta por cerca de vinte mil títulos, abrangia uma ampla gama de gêneros musicais, refletindo sua paixão pela diversidade da música. Esse acervo não era apenas uma coleção pessoal, mas também um registro valioso dos diferentes períodos da cena musical global.

Leia ou ouça também:  Bach: o verdadeiro pai do intenso rock and roll

Legado e memória

A morte de Big Boy em 1977 (em consequência de uma crise de asma em um hotel em São Paulo), foi um golpe para a indústria musical brasileira. Sua partida deixou um vazio que nunca foi totalmente preenchido. No entanto, seu legado perdura através da influência que exerceu sobre gerações de locutores e amantes da música. Sua abordagem inovadora e sua paixão pela música deixaram uma marca indelével no mundo do entretenimento, garantindo que seu nome seja lembrado como um dos grandes ícones do rádio brasileiro.

Visionário cujo impacto transcendeu as fronteiras do rádio

Big Boy, muito mais do que um simples DJ, foi um visionário cujo impacto transcendeu as fronteiras do rádio. Sua contribuição para a música e a cultura popular continua a ecoar até hoje. Seu legado vive não apenas nas memórias daqueles que o ouviram, mas também na maneira como ele moldou o cenário radiofônico brasileiro, deixando para trás um verdadeiro tesouro de lembranças e inspiração.

Última atualização da matéria foi há 2 semanas


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content