Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Di-Glauber: o filme-velório que deu o que falar

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

“Di-Glauber”, ou “Di Cavalcanti”, é um documentário de curta-metragem brasileiro de 1977, dirigido pelo icônico cineasta Glauber Rocha. Feito em homenagem ao renomado pintor Di Cavalcanti, que faleceu no ano anterior, o filme se destaca tanto por seu conteúdo quanto pelas controvérsias que gerou. Este texto explora diversos aspectos desse filme-velório que marcou a história do cinema brasileiro, com uma abordagem aprofundada sobre sua concepção, impacto cultural, recepção crítica e o legado de Glauber Rocha.

A concepção do documentário

A ideia de “Di-Glauber” surgiu de forma espontânea, quando Glauber Rocha ouviu no rádio a notícia da morte de Di Cavalcanti. Motivado pela perda de uma das figuras mais importantes da arte brasileira, Glauber reuniu uma pequena equipe de filmagem para registrar os eventos do velório e do enterro do pintor. Esses acontecimentos foram realizados no saguão do Museu de Arte Moderna (MAM) e no Cemitério São João Batista, ambos localizados no Rio de Janeiro.

Glauber Rocha, conhecido por sua abordagem inovadora e provocativa no cinema, decidiu criar um documentário que não apenas registrasse o evento, mas também servisse como uma última homenagem ao amigo e artista. O resultado foi um curta-metragem que mistura elementos documentais com uma estética pessoal e poética, características marcantes do estilo de Glauber.

Anúncios

Primeira exibição e controvérsia judicial

“Di-Glauber” foi exibido pela primeira vez em 11 de março de 1977, durante uma sessão na Cinemateca do MAM, no Rio de Janeiro. A sessão também contou com a exibição do longa-metragem “Cabeças Cortadas”, outra obra de Glauber Rocha. No entanto, logo após essa primeira exibição, a filha adotiva de Di Cavalcanti, Elizabeth Di Cavalcanti, entrou na Justiça para proibir a exibição do curta.

Elizabeth argumentou que o filme desrespeitava a memória de seu pai e invadia a privacidade da família. A disputa judicial culminou em 1979, quando Elizabeth conseguiu uma decisão judicial que proibiu a exibição do filme em território brasileiro. Essa controvérsia judicial adicionou uma camada extra de notoriedade ao curta, que já era polêmico por sua própria natureza.

Reconhecimento internacional

Apesar das restrições no Brasil, “Di-Glauber” recebeu reconhecimento internacional. O filme foi selecionado para ser exibido no Festival de Cannes de 1977, onde recebeu o Prêmio Especial do Júri para Melhor Curta-metragem. Esse reconhecimento destacou a qualidade artística e a importância cultural da obra, mesmo diante das controvérsias e das restrições impostas em seu país de origem.

A premiação em Cannes ajudou a consolidar o status de Glauber Rocha como um dos cineastas mais importantes e influentes do cinema brasileiro. “Di-Glauber” se tornou uma peça fundamental na filmografia de Glauber, refletindo sua capacidade de abordar temas complexos e emocionantes de maneira única e inovadora.

Anúncios

Impacto cultural e crítica

O impacto cultural de “Di-Glauber” é significativo, tanto pelo conteúdo do filme quanto pelas discussões que gerou. A obra entrou na lista dos 100 melhores filmes brasileiros de todos os tempos, elaborada pela Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) em novembro de 2015. Esse reconhecimento ressalta a importância do curta no contexto do cinema nacional e sua influência duradoura.

Críticos de cinema elogiaram a audácia de Glauber Rocha em capturar um momento tão íntimo e pessoal como um velório, e transformá-lo em uma obra de arte cinematográfica. No entanto, também houve críticas sobre a ética de filmar um evento tão privado sem o consentimento da família. Essas críticas refletem as complexidades envolvidas na criação e exibição de “Di-Glauber”, tornando-o um exemplo de como o cinema pode provocar debates sobre limites éticos e artísticos.

Leia ou ouça também:  Qual foi a real influência do jornalismo gonzo?

Disponibilização na internet e legado

Em 2004, os familiares de Glauber Rocha decidiram disponibilizar “Di-Glauber” na internet, tornando-o acessível a um público mais amplo. O filme foi lançado com o subtítulo “Ninguém assistiu ao formidável enterro de sua quimera, somente a ingratidão essa pantera, foi sua companhia inseparável”. Essa frase, retirada do poema “Versos íntimos” de Augusto dos Anjos, reflete o tom melancólico e introspectivo do curta.

A disponibilização online permitiu que novas gerações de espectadores e estudiosos do cinema pudessem acessar e apreciar a obra, contribuindo para o legado de Glauber Rocha. “Di-Glauber” continua a ser estudado e discutido em cursos de cinema e festivais ao redor do mundo, servindo como um exemplo de inovação e coragem artística.

Elementos estéticos e narrativos

“Di-Glauber” é uma obra que se destaca não apenas pelo conteúdo, mas também por sua forma. Glauber Rocha empregou uma variedade de técnicas cinematográficas para criar um curta que é ao mesmo tempo, documental e poético. A escolha de planos, o uso de câmera na mão, a montagem e a trilha sonora contribuem para a atmosfera única do filme.

A narrativa não linear e a justaposição de imagens do velório com cenas da vida e obra de Di Cavalcanti criam um mosaico visual que desafia as convenções do cinema tradicional. Essa abordagem estética reflete a própria filosofia de Glauber Rocha sobre o cinema como uma forma de arte que deve desafiar e provocar o espectador.

Reflexões sobre arte e morte

No cerne de “Di-Glauber” está uma reflexão profunda sobre a arte e a morte. O filme não apenas documenta o fim da vida de Di Cavalcanti, mas também celebra sua contribuição para a arte brasileira. Ao filmar o velório e o enterro do pintor, Glauber Rocha cria uma obra que é ao mesmo tempo, um tributo e uma meditação sobre a mortalidade.

Anúncios

A escolha de registrar esses momentos íntimos e solenes reflete a crença de Glauber na capacidade do cinema de capturar a essência da experiência humana. “Di-Glauber” nos lembra que a arte tem o poder de imortalizar aqueles que a criam, perpetuando sua memória e influência muito além de suas vidas.


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights