Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Por dentro da quebra colossal da gigante Sadia

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

De 1996 a 2007, a Sadia, empresa criada em 1944 em Concórdia, Santa Catarina, experimentou um crescimento substancial, solidificando-se como uma das maiores empresas alimentícias do Brasil. No entanto, ao contrário de suas concorrentes, a Sadia tinha uma particularidade: uma parte significativa de seus lucros provinha de operações no mercado financeiro. Enquanto outras empresas do mesmo ramo concentravam seus esforços e ganhos na operação de seus negócios principais, a Sadia se aventurava no mercado de capitais, conforme estudos do economista Oscar Malvessi.

Yara Fontana, neta do fundador Attilio Fontana, revelou que a gestão da Sadia realizava operações de risco com o caixa da empresa, mas ela, apesar de sua ligação familiar e entendimento do negócio, não tinha voz no conselho. Essa abordagem ousada gerava lucros altos, mas também colocava a empresa em uma posição vulnerável. Essa vulnerabilidade tornou-se evidente em 2008, quando a crise financeira global revelou a verdadeira extensão dos riscos assumidos pela Sadia.

A crise e a descoberta devastadora

Em 2008, a Sadia estava em um momento crucial de sua expansão. A companhia planejava a aquisição da Frangosul por 1,2 bilhões de reais, uma estratégia que visava consolidar sua posição no mercado e aumentar sua capacidade de produção. No entanto, no dia em que a compra deveria ser realizada, o diretor financeiro da Sadia, Adriano Ferreira, trouxe uma notícia devastadora para Fontana Filho, então presidente da empresa.

Anúncios

Ferreira, em lágrimas, anunciou que a Sadia estava com 5 bilhões de dólares descobertos no mercado futuro. Esse tipo de exposição era um reflexo direto das operações arriscadas que vinham sendo realizadas, aparentemente sem a devida supervisão ou controle. A crise financeira global, que já estava abalando mercados em todo o mundo, exacerbou a situação, colocando a Sadia em uma posição extremamente precária.

Reuniões emergenciais e medidas de contenção

A descoberta da enorme exposição no mercado futuro levou a uma série de reuniões emergenciais dentro da Sadia. O objetivo era claro: encontrar uma forma de minimizar as perdas e evitar a falência. As discussões foram intensas e as medidas adotadas, drásticas. A exposição de 5 bilhões de dólares foi reduzida para 3,4 bilhões, mas ainda assim, o montante era assustadoramente alto.

Uma das soluções encontradas foi negociar com o banco inglês Barclays para desfazer uma operação de 1,4 bilhões de dólares. Essa negociação foi crucial para aliviar parte da pressão financeira sobre a Sadia. Contudo, essas medidas de contenção eram apenas paliativas e não resolveriam o problema estrutural que a empresa enfrentava devido à sua estratégia arriscada no mercado financeiro.

A investigação interna e a revelação de erros

A crise expôs a necessidade de uma investigação interna rigorosa para entender como a Sadia havia chegado a tal ponto de vulnerabilidade. As investigações revelaram que a empresa vinha aumentando sua exposição no mercado futuro desde 2007, num movimento arriscado que visava capitalizar sobre condições favoráveis do mercado. No entanto, com a eclosão da crise financeira global em 2008, essas operações saíram do controle, levando a empresa à beira da bancarrota.

As revelações foram chocantes. Ficou claro que havia uma falta de supervisão adequada e uma subestimação dos riscos envolvidos nas operações financeiras. As decisões que levaram a Sadia a essa posição foram tomadas sem o devido cuidado, e os responsáveis por essas decisões começaram a ser identificados.

Anúncios
Leia ou ouça também:  Será que o seu médico é um grande mercenário?

Consequências imediatas e longo prazo

As consequências da crise financeira para a Sadia foram severas e de longo alcance. Adriano Ferreira, o diretor financeiro, foi demitido imediatamente após a revelação da exposição. Fontana Filho, que ocupava o cargo de presidente, também deixou sua posição, embora o papel de cada um no desastre financeiro tenha se tornado objeto de disputa judicial.

Para evitar a bancarrota total, a Sadia obteve uma linha de crédito emergencial com o Banco do Brasil, uma vez que as linhas de crédito no exterior estavam exauridas devido à crise financeira global. Esse suporte financeiro foi crucial para a sobrevivência da empresa, mas não sem custos. A confiança dos investidores e do mercado na Sadia foi profundamente abalada, e a empresa teve que lutar para recuperar sua credibilidade e estabilidade financeira nos anos subsequentes.

Fusão com a Perdigão

Com a empresa em dificuldades financeiras, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu apoio. No entanto, ao invés de um aporte do BNDES, como desejavam os sócios, o governo propôs uma fusão com a Perdigão, para transferir o controle da Sadia para o Estado, já que a Perdigão era controlada pelo Previ. Sérgio Rosa, chefe do Previ, que detinha 5% da Sadia, buscava um assento no conselho da empresa. Ele contatou Nildemar Secches, presidente do conselho da Perdigão, informando que o governo queria que o Previ adquirisse a Sadia. Dias depois, Secches formalizou uma oferta, que foi inicialmente recusada pelos sócios, que ainda esperavam um aporte do BNDES. No final de 2008, com um prejuízo de 2,5 bilhões, a Sadia aceitou a fusão, criando a Brasil Foods e movendo sua sede de Concórdia para Itajaí.

Lições aprendidas e mudanças na governança

A crise de 2008 e a falência da Sadia serviram como uma lição dolorosa sobre os perigos das operações financeiras arriscadas. Empresas que outrora admiravam a Sadia por seu sucesso passaram a ver sua estratégia com ceticismo e cautela. Além disso, a experiência da Sadia destacou a importância de uma gestão financeira prudente e a necessidade de equilibrar a busca por lucros com a responsabilidade e a gestão de riscos.


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Anúncios
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights