O que faz e como se tornar um técnico judiciário

A busca por estabilidade profissional, somada a um ganho salarial compatível com as atribuições do trabalho e a possibilidade de seguir uma carreira, têm contribuído de maneira significativa na procura de cursos preparatórios para concursos públicos, seja no âmbito municipal, estadual ou federal. Mesmo diante do cenário pandêmico que vivemos atualmente, as pessoas procuram manter-se atualizadas e informadas sobre a publicação dos editais, e dessa forma estudam os conteúdos sugeridos para as provas seletivas.

As vagas relacionadas nesses concursos abrangem normalmente a formação acadêmica, desde o ensino fundamental, ensino médio e ensino superior, e dependem apenas do grau de complexidade e de conhecimento da função.

Tomemos como exemplo o concurso para técnico judiciário. Antes mesmo da publicação do edital, é importante conhecer as atribuições da função, inclusive para que não tenha surpresas caso seja admitido para a mesma. A profissão de técnico judiciário é exclusivamente pública, e atuará principalmente no Tribunal de Justiça estadual ou federal, onde terá como funções: participar de diversas comissões; atuar em treinamentos com foco administrativo; operar em audiências; elaborar e digitar pautas de publicação; executar os trabalhos de expediente; desenvolver certidões; indexar documentos; atender ao público; entre outras atribuições administrativas e judiciais.

Vale ressaltar que as responsabilidades tornam-se maiores à medida que ocorre o seguimento da carreira, podendo até chegar em outras instâncias, caso complemente sua formação com o curso de bacharel em direito da área judiciária ou a formação em administração para os casos da área administrativa.

Além do Tribunal de Justiça, a carreira pode ser feita no Tribunal Regional do Trabalho ou no Tribunal Regional Eleitoral. O salário inicial de um técnico judiciário está em torno de R$5 mil, além dos benefícios de auxílio-alimentação e locomoção.

Para o ingresso na carreira, exige-se o ensino médio completo e ter aprovação em concurso público, como o concurso TRE SP, que deverá incluir os técnicos judiciários.

Mas preparar-se para as provas antecipadamente traz ganhos e tranquilidade para os participantes, já que normalmente as provas seletivas são compostas por questões objetivas e discursivas, abordando conhecimentos gerais e específicos de cada cargo ou função, como, por exemplo, conhecimentos de língua portuguesa, noções de informática, normas aplicáveis aos servidores públicos, noções de direito civil, direito constitucional, direito processual e direito penal.

A preparação para as provas pode ser feita de maneira presencial, respeitando as restrições sanitárias, ou de forma online, até mesmo com gratuidade.

O importante é não deixar para estudar na véspera do concurso, visto que as inscrições sempre são numerosas, independentemente do número de vagas oferecidas.

Compartilhar:
Voltar ao Topo
Skip to content