Sua Página
Fullscreen

Paula Weiss luta pela liberdade plena no mundo

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Há mais de duas décadas Paula Macedo Weiss faz pontes culturais entre Brasil e Alemanha. Quando o Brasil foi convidado de honra da Feira do Livro de Frankfurt em 2013, por exemplo, foi a coordenadora local das atividades culturais brasileiras nos museus e entidades culturais alemães. Desde então, trabalha com o Instituto Inhotim, Sesc, Bienal de São Paulo, entre outros, promovendo a apresentação de artistas brasileiros por lá e de artistas alemães por aqui. Este ano ela é uma das patronas da Bienal de Berlim. É também presidente da Fundação do Museu de Artes Aplicadas de Frankfurt e está em diversos conselhos de instituições culturais em Frankfurt e em São Paulo. Além de todo seu envolvimento com o mundo cultural, Paula acaba de lançar neste último mês de outubro, um livro de memórias, “Entre Nós” (Folhas de Relva Edições), dos tempos em que viveu no Brasil sob a ditadura civil-militar. A obra conta sua história pessoal misturada à história do país. Nascida em plena ditadura, acompanhou de perto o caminho que levou à abertura política. Seu pai, Osvaldo Macedo, foi um político que lutou sempre pela democracia e pelos direitos do cidadão brasileiro; e a herança política recebida dos pais dá o tom ao livro. “Nos últimos anos um movimento global pende para a direita, podemos até falar numa pandemia do totalitarismo. Acredito que passamos atualmente por um momento perigoso e decisivo na política mundial”, afirma.

Paula, estamos vivendo um momento politicamente perigoso em sua visão?

Nos últimos anos um movimento global pende para a direita, podemos até falar numa pandemia do totalitarismo. Acredito que passamos atualmente por um momento perigoso e decisivo na política mundial. Estamos entre divisores, na interface, por assim dizer. Temos que ter plena consciência desse processo e senso critico para reagir. Acredito que agora é hora de muita vigília, de resistência, de luta e de reação.

A eleição de Trump foi o fio condutor dessa tensão?

A eleição do Trump foi o que se pode chamar de uma surpresa desagradável e fortaleceu essa onda para a direita. Naquela ocasião nos parecia não haver um risco real de uma pessoa descomprometida com os valores básicos e elementares de um Estado Democrático de Direito, e também despreparado politicamente, de se eleger presidente na democracia mais antiga da modernidade. Ele era uma escolha fora do racional. E, no fundo, foi por isso que ganhou. Ele representou o desejo de muitos de romper com o establishment, eleitores que não se viam representados e não se sentiam, nos seus medos, nos seus anseios e nas suas frustrações, levados a sério.

Essa critica é pertinente e exige de nós repensarmos o processo democrático e principalmente as formas de reapresentação. Arrisco a dizer que essa foi uma, porém, não a principal motivação em votar no Trump, mas sim sua ousadia desenfreada de romper cotidianamente com valores sociais e civilizatórios arraigados na nossa sociedade. Para muitos isso era visto como uma virtude: romper com tudo e com todos. Atitude que gerou inúmeras tensões. O que me assusta é o número impressionante de eleitores que apostaram nessa quebra de valores e no rompimento do pacto social.

Os limites da democracia foram testados com o republicano na Casa Branca?

Sim, como expliquei anteriormente, foram testados cotidianamente. A democracia, porém, é o único regime de governo que tolera criticas e têm ferramentas de autodefesa e renovação. Ela sobreviverá.

Como a vitória de Biden pode dar um “alívio” em sua visão?

A vitória é um respiro, o começo da reação e da virada contra a intolerância e o extremismo. Todo pêndulo que vai, volta.

O caminho da Europa com nomes como de Viktor Órbán, Matteo Salvini e Marine Le Pen está indo para outro rumo?

Aqui a história também não é diferente. Esquecemos muitos pelo caminho, precisamos levar a sério essa parte da população que se sentiu abandonada nos últimos anos. O pêndulo para a direita é real, constante e há chances ainda reais de crescimento. Cabe a todos nós resistirmos e buscar o diálogo. Retomar a cultura da discussão é essencial também aqui na Europa.

O que mudará de fato na política global com a ascensão do democrata?

O que muda principalmente é a narrativa e o retorno a práticas democráticas, inclusivas e diplomáticas. O tom faz a música. No discurso da vitória, Biden enfatizou exatamente isso, ele representa a todos, portanto, fará, pelo menos em tese, uma política tolerante e inclusiva.

Você disse que a vitória de Biden pode resgatar elementos básicos de convivência social. A polarização raivosa se dissipará?

Não acredito que se dissipará. Biden está aberto e disposto a isso, mas não é mágico. O problema é estrutural. Somos vítimas e muitas vezes autores de pequenas ou grandes mentiras virtuais que levam a um viés de confirmação e à hiperpolarização. A sociedade está com medo e o medo na atualidade está infelizmente intrinsecamente vinculado à raiva. Este também, a meu ver, foi um dos pecados capitais de Trump, ter aberto a caixa de Pandora, se permitindo dar voz à raiva e à agressividade, servindo de exemplo para o resto da sociedade; ter rompido com o pacto tácito do imperativo categórico kantiano.

Há sim valores éticos nas nossas condutas, que visam ao bem maior e têm na sua máxima uma validade universal, para todos, e ninguém, nem mesmo o presidente de um Estado, pode abusar desse recurso para alcançar valores menores e pessoais. Essa foi a política de Trump: eu acima de tudo. E a internet sem dúvida ajuda muito na difamação, na distorção de informações, na criação de mentiras e no fomento de polarizações. Esta é, a meu ver, a arma principal do totalitarismo atualmente.

Qual a importância da vice-presidente Kamala Harris para essa transição?

Penso que Kamala desempenha um papel fundamental na discussão sobre representatividade e lugar de fala de uma parcela significativa da sociedade americana. Grande parte da população, apesar da máxima da democracia representativa “one man, one vote”, nunca se sentiu realmente representada e nem tampouco ouvida. Essa é sem dúvida uma das principais razões de descrédito na política tradicional. Julgo que Kamala pode ajudar muito na retomada da credibilidade na política e na desconstrução de um racismo estrutural e institucional.

Candidatos de direita que tenham práticas mais humanistas seria uma utopia nesse momento?

Não. Angela Merkel, como chanceler da União Democrata-Cristã, é por si uma pessoa conservadora, de um partido de centro-direita, mas com valores humanistas; ela tem uma visão de mundo aristotélica, na qual o bem individual está intrinsecamente ligado a um bem coletivo, e plenamente consciente da sua incumbência em prol do bem comum. Vejo nela a melhor política da atualidade, pois, vem ministrando com grandeza a crise ligada à pandemia do coronavírus e sustentando com maestria a nossa democracia e a sociedade alemã.

“Entre Nós” seria uma homenagem àquilo que você considerava ser o começo de uma libertação?

“Entre Nós” foi primeiramente uma reação à eleição de Jair Bolsonaro, em 2018. Incrédula com essa eleição, tive um impulso literário. Escolhi a primeira pessoa para dar ênfase às minhas experiências como testemunha ocular da ditadura civil-militar que assolou o Brasil por duas décadas e da luta pela redemocratização. É um escrito confessional, um apelo e um alerta. Valeu a pena lutar, vale a pena sempre lutar pelas liberdades, pelos Direitos Humanos, por uma sociedade equalitária, justa e fraterna. Não canso de repetir que temos que aprender com o passado, ele nos serve de norte, triste a nação sem passado. Com experiências pregressas aprendemos e criamos a nossa identidade e a nossa cidadania.

Essa consciência política é essencial na libertação de uma sociedade. Não podemos permitir que práticas autoritárias venham se repetir. O ontem jamais pode vir a ser o amanhã. Porém, suspeito que, em muitas situações, já é o hoje, por isso: Entre Nós. Sem querer ser cabotina, o livro tem uma mais-valia: de ser um depoimento pessoal de alerta sobre uma das piores fases da história brasileira moderna, para todos aqueles que nunca passaram por isso e sempre viveram sob os auspícios da liberdade. A ditadura foi cruel, nefasta e é indefensável. A situação atual nos faz lembrar muito de práticas autoritárias do passado, por isso, sim, é um desejo intrínseco de luta e libertação.

Qual a importância do seu pai no norte que tomou para a sua vida?

Meu pai foi político da oposição durante a ditadura, amava a sua terra, sua gente e lutou incansavelmente pelo direito das minorias; é autor de livros e leis de que muito me orgulho, mas acima de tudo ele era um amante da liberdade e das humanidades, e essa é a minha herança. Saber que não há liberdade possível sem o compromisso social, o respeito individual e coletivo, e um amor incondicional à vida.

Última atualização da matéria foi há 2 anos


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
* * * * * * * * * *
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights