Anúncios
Sua Página
Fullscreen

Roubo de cargas cresce na Baixada Santista

Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Os roubos de carga na Baixada Santista, uma das regiões mais importantes para o comércio exterior brasileiro, aumentaram drasticamente em 2023. Segundo dados da Overhaul, a região registrou um crescimento alarmante de 197% nos roubos de carga, comparando os números de 2022 e 2023. O total de ocorrências saltou de 184 para 548 casos, destacando uma preocupante tendência que afeta não só a economia local, mas também a nacional. Este texto busca explorar os diversos aspectos desse aumento, incluindo as áreas mais afetadas, os métodos dos criminosos, as cargas mais visadas, as razões por trás desse crescimento e as possíveis soluções para combater esse problema.

Focos principais dos roubos: áreas e métodos

A Baixada Santista, com destaque para cidades como Praia Grande, São Vicente, Guarujá e Cubatão, tem sido o principal foco dos roubos de carga. Essas áreas urbanas concentraram 70% das ocorrências, com um preocupante uso de armas de fogo e ameaças diretas em 79% dos casos. As terças-feiras, especialmente no período da manhã, são os momentos mais críticos, representando 24% e 65% das ocorrências, respectivamente.

Os criminosos geralmente operam em gangues organizadas, utilizando táticas bem planejadas. Muitas vezes, eles atacam os caminhões em movimento, aproveitando-se da vulnerabilidade dos motoristas e da falta de segurança nas estradas e áreas de paradas. A escolha dos horários e a precisão das operações indicam um alto nível de organização e planejamento, exacerbando a dificuldade de prevenção e combate a esses crimes.

Anúncios

O impacto econômico e logístico

O Porto de Santos, localizado na Baixada Santista, é crucial para a economia brasileira, sendo o maior complexo portuário da América Latina. A importância estratégica desse porto para a logística nacional torna os roubos de carga ainda mais impactantes. As perdas econômicas são significativas, afetando diretamente as empresas que dependem desse hub para suas operações comerciais. Além disso, a interrupção das cadeias de suprimento pode causar atrasos e aumentar os custos operacionais, refletindo negativamente em toda a economia brasileira.

Empresas têm se esforçado para reforçar a segurança de suas cargas, mas os altos índices de criminalidade e a sofisticação dos métodos utilizados pelos ladrões continuam sendo grandes desafios. A necessidade de medidas de segurança mais eficazes e de uma infraestrutura melhor nas estradas é cada vez mais evidente.

Produtos mais visados

Os dados da Overhaul revelam que as cargas mistas são as mais cobiçadas pelos criminosos, representando 43% dos roubos. Esse tipo de carga inclui uma variedade de produtos, o que facilita a comercialização no mercado paralelo. Outros itens frequentemente roubados incluem alimentos e bebidas, produtos agrícolas (como agrotóxicos, grãos e sementes), bebidas alcoólicas e eletrônicos.

A preferência por esses produtos está ligada à facilidade de escoamento e venda no mercado informal, onde não há necessidade de pagar impostos ou emitir notas fiscais. Isso cria um ciclo vicioso onde a demanda por produtos roubados incentiva ainda mais os crimes, dificultando a interrupção desse fluxo ilícito.

Razões para o aumento dos roubos

O aumento dos roubos de carga na Baixada Santista pode ser atribuído a diversos fatores. As mudanças no comportamento de consumo, questões macroeconômicas, o avanço da produção agrícola e o crescimento da informalidade são algumas das principais razões apontadas por especialistas. Reginaldo Catarino, gerente de inteligência da Overhaul no Brasil, destaca que a lei da oferta e demanda também se aplica ao mercado paralelo, onde a demanda crescente por produtos desviados alimenta a atividade criminosa.

Anúncios

Além disso, a falta de infraestrutura adequada nas estradas e a ausência de paradas seguras para caminhoneiros agravam o problema. A vulnerabilidade dos transportadores durante o percurso facilita a ação dos criminosos, que encontram poucas barreiras para a execução de seus planos.

Leia ou ouça também:  Investimentos valorizados no mercado financeiro

Estratégias e soluções

Combater o roubo de cargas na Baixada Santista exige um conjunto de estratégias integradas. Especialistas apontam que o trabalho de inteligência e monitoramento é essencial para reduzir a exposição das cargas e responder rapidamente às ameaças. A utilização de tecnologia avançada, como sistemas de monitoramento de veículos, carga e contêineres, é um diferencial importante. Essas tecnologias permitem detectar mudanças de comportamento e emitir alertas que ajudam a prevenir roubos.

Escolher rotas e horários que minimizem a exposição ao risco é outra medida crucial. Além disso, medidas de segurança rigorosas devem ser implementadas nas entradas e saídas do porto de Santos para proteger as cargas durante todo o trajeto. A colaboração entre empresas de transporte, autoridades policiais e empresas de segurança pode criar um ambiente mais seguro e dificultar as ações dos criminosos.

O papel da inteligência e monitoramento

O monitoramento contínuo das cargas desde a origem até o destino final é uma prática fundamental para prevenir roubos. Isso inclui o acompanhamento das movimentações desde a liberação do contêiner até a sua chegada ao destino. Empresas de segurança devem estar equipadas com ferramentas de inteligência que permitam uma visão abrangente e em tempo real das operações logísticas.

A implementação de várias camadas de segurança é necessária para garantir a passagem segura por áreas de alto risco. A inteligência de dados pode identificar padrões e prever possíveis ameaças, permitindo uma resposta proativa e eficaz. O uso de drones, câmeras de segurança e outros dispositivos tecnológicos também pode complementar os esforços de monitoramento.

Uma luta contínua

O aumento dos roubos de carga na Baixada Santista representa um desafio significativo para a economia e a segurança pública do Brasil. A sofisticação dos métodos criminosos e a alta demanda por produtos desviados no mercado paralelo dificultam a erradicação desse problema. No entanto, com a implementação de estratégias de inteligência, monitoramento rigoroso e colaboração entre as partes envolvidas, é possível mitigar os riscos e proteger as operações logísticas essenciais para o país.

Anúncios

A luta contra o roubo de cargas é contínua e requer esforços constantes e adaptáveis. A inovação em tecnologia de segurança e a melhoria na infraestrutura rodoviária são passos cruciais para reduzir a vulnerabilidade das cargas e garantir um ambiente mais seguro para o transporte de mercadorias. Somente através de ações coordenadas e um compromisso firme de todos os setores envolvidos será possível enfrentar e superar esse desafio.


Compartilhe este conteúdo com seus amigos. Desde já obrigado!

Facebook Comments

Espaço Publicitário:
Voltar ao Topo
Skip to content
Verified by MonsterInsights